A crise na Venezuela é tanta que grupos criminosos já aliciam jovens com comida

Relatório do Observatório Venezuelano de Violência citado pela imprensa do país

A crise económica venezuelana está a levar os grupos criminosos a oferecer alimentos e empréstimos em dinheiro para atrair adolescentes para a criminalidade, em vez do tradicional chamariz do dinheiro ou do luxo, escreve hoje a imprensa venezuelana.

"As organizações criminosas encontraram terra fértil na crise económica e na pobreza generalizada no país, para fortalecer a sua estrutura (...) as técnicas de recrutamento usadas geralmente para conquistar milhares de jovens, antes baseadas no poder e no luxo, entraram em desuso perante a fome e a necessidade", aponta o diário El Nacional.

Citando um relatório do Observatório Venezuelano de Violência (OVV), o jornal explica que a tendência foi registada em dados de sete Estados que concentram 49% da população das 23 regiões do país.

"Os grupos criminosos dão apoio material aos que identificam como pobres ou vulneráveis, oferecendo-lhes comida, emprestando-lhes dinheiro, o que permite captar rapazes, para quem os criminosos são pessoas que gostam de ajudar e até aconselhar, em casos de necessidade e problemas", afirma.

Segundo o OVV, 75% das vítimas mortais devido à violência no país têm menos de 30 anos de idade e também 75% dos assassinos têm 29 ou menos anos de idade.

"Os grupos criminosos estão a avançar na conquista de milhares de jovens que entram na violência e cujo destino está a ser a morte, a cadeia e a frustração de tantos sonhos e esperanças forjados por familiares e comunidades", destaca o estudo.

Segundo o jornal, em 2017 houve um aumento da insegurança no país, em resultado "perante a deterioração das forças policiais, tribunais e cárceres, componentes indispensáveis do sistema de justiça".

Por outro lado, "durante todo o ano, foram contínuas as demissões de agentes (policiais), que abandonaram os lugares de trabalho para procurar emprego e melhores salários no setor privado ou para emigrar", o que tem levado à redução da força policial.

Assim mesmo, a substituição desse pessoal por novos agentes, formados de maneira expressa, não pode garantir nem idoneidade nem capacitação adequada, considera o relatório.

"O envolvimento de agentes policiais e militares em roubos, sequestros, tráfico de droga e homicídios, constitui uma grave perda para a sociedade", segundo o OVV, que citando o Ministério Público, afirma que 20% dos assassinatos "são cometidos por policias (e militares)", que reputa ser um facto de "muita gravidade".

Por outro lado, as cadeias converteram-se em "clubes sociais do crime e em centros para a planificação e execução de delitos fora do recinto penitenciário".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.