Governo condena ajuda humanitária "hipócrita" oferecida pelos EUA

O Governo venezuelano condenou na sexta-feira a resolução aprovada por uma comissão do Congresso dos Estados Unidos para assistência humanitária à Venezuela, dizendo que se trata de uma ajuda "hipócrita".

"É um ato de hipocrisia dos setores mais extremistas, inclusive vinculados às mafias que fugiram de Cuba quando a revolução cubana se impôs", disse o ministro dos Negócios Estrangeiros da Venezuela.

Em declarações aos jornalistas, Jorge Arreaza defendeu que a resolução é uma manobra para continuar a aprofundar "a ingerência" nos assuntos venezuelanos.

"Se alguma medida faz dano à Venezuela são as sanções unilaterais, coercivas. Essas são as medidas que prejudicam, que podem gerar uma crise (...) As sanções dos Estados Unidos são manobras políticas para continuar a escalada contra a Venezuela", disse.

Arreaza confirmou também que em novembro chegará à Venezuela Alfred de Zayas, um perito independente da ONU, especializado na promoção de uma "ordem internacional, democrática, equitativa".

O ministro disse ainda que 63 países assinaram uma declaração de apoio à soberania venezuelana, que inclui a "condenação às agressões dos Estados Unidos e às suas intenções de promover uma intervenção na Venezuela".

Segundo Jorge Arreaza, entre os países que assinaram a declaração estão "Cuba, China, Rússia, Bolívia, Nicarágua, Argélia, Irão, Egito, Índia, Angola, Etiópia, Jordânia, El Salvador, Antígua e Barbuda, Equador e África do Sul".

Na quinta-feira a Comissão de Relações Exteriores da Câmara de Representantes dos Estados Unidos aprovou um projeto de lei para formalizar o envio de ajuda humanitária para a Venezuela.

O projeto de lei foi apresentado pelo democrata Eliot Engel e prevê que o Departamento de Estado trabalhe com organizações não governamentais para, no prazo de 90 dias, definir um plano para enviar alimentos, medicamentos e assistência técnica para a Venezuela.

O texto do documento, que deverá agora ser submetido ao voto da Câmara de Representantes em pleno, admite a possibilidade de o Governo venezuelano continuar a opor-se à ajuda humanitária internacional e determina que, se o Presidente Nicolás Maduro se opuser, os Estados Unidos deverão procurar votos na ONU para emitir uma resolução, que obrigue a Venezuela a receber e a distribuir a ajuda.

O projeto de lei foi aprovado depois de Washington impor restrições migratórias contra funcionários do Governo do Presidente Nicolás Maduro e cidadãos venezuelanos.

Em agosto, os Estados Unidos impuseram sanções financeiras contra Caracas, que incluíram a proibição de negociar com os títulos da Venezuela e com a empresa estatal Petróleos da Venezuela SA.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.