Venezuela garante "cooperação total" com a ONU

Em causa o uso excessivo da força pelas autoridades durante as manifestações der 2017

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Venezuela, Jorge Arreaza, saudou hoje a chegada da ex-presidente do Chile, Michelle Bachelet, à liderança do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, assegurando-lhe "total cooperação".

"O Conselho dos Direitos Humanos e a Alta Comissária podem contar com a total cooperação do governo da Venezuela e do presidente Nicolás Maduro", disse Jorge Arreaza perante os diplomatas do organismo em Genebra.

Arreaza considerou que a chegada de Bachelet à liderança da agência das Nações Unidas para os direitos humanos, com quem se reuniu na segunda-feira, marca "uma nova etapa de cooperação".

Michelle Bachelet assumiu funções a 1 de setembro, sucedendo ao jordano Ra'ad Al Hussein, considerado demasiado crítico de vários dirigentes mundiais.

A Venezuela mantém relações tensas com o Alto Comissariado para os Direitos Humanos, que em 2017 pediu, sem sucesso, uma investigação internacional sobre o uso excessivo da força pelas autoridades, estimando a possibilidade de se estar perante crimes contra a humanidade.

O Alto Comissariado nunca foi autorizado a visitar o país.

"Virámos a página sobre os quatro últimos anos", disse Jorge Arreaza, explicando, no entanto, que não haverá um convite imediato para que Michelle Bachelet visite a Venezuela.

"É preciso restabelecer a confiança. Uma vez reconstruídos os canais de comunicação, teremos as melhores relações", acrescentou.

Michelle Bachelet fez, na segunda-feira, o seu primeiro discurso perante o Conselho dos Direitos Humanos, que está reunido em Genebra até 28 de setembro.

O discurso continha na versão escrita enviada à comunicação social parágrafos relativos à Venezuela, mas que não foram lidos perante os diplomatas por falta de tempo, segundo explicação posterior.

Na versão distribuída à comunicação social, Michelle Bachelet assinalou o "número crescente de pessoas que fogem da Venezuela e da Nicarágua" e pediu ao Conselho para tomar "todas as medidas necessárias para fazer face às graves violações dos direitos humanos" identificadas nesses países.

Notou igualmente que, após a publicação em junho, do último relatório do Alto Comissariado para os Direitos Humanos sobre a Venezuela, continuaram a chegar "informações sobre violações de direitos económicos e sociais, com registos de mortes ligadas à desnutrição e a doenças evitáveis, bem como sobre violações de direitos civis e políticos".

Por outro lado, sublinhou que o governo da Venezuela "não demonstrou abertura" para implementar "verdadeiras medidas" com vista a julgar os responsáveis pela violência durante as manifestações de 2017.

Dados divulgados pelas Nações Unidas revelam que o número de pessoas que fugiram da Venezuela até 1 de julho atingiu os 2,3 milhões, mais 1,6 milhões mais do que em 2015 e o equivalente a cerca de 7% da população total.

O chefe da diplomacia venezuelana explicou aos jornalistas que "se trata de venezuelanos que partiram por razões económicas e não por razões políticas", adiantando que a Venezuela está a implementar um programa de regresso.

"Numa semana, mais de 4.000 pessoas regressaram a casa porque eram exploradas em países como o Peru, Colômbia e Brasil", disse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.