Dois suspeitos do atentado contra Maduro alojaram-se no Hotel Pestana

El Poeta e El Latino, como eram conhecidos, são dois dos 25 detidos por suspeitas de envolvimento no alegado atentado de sábado contra o presidente da Venezuela

Dois dos 25 indivíduos suspeitos de envolvimento no atentado de sábado contra o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, estiveram alojados no Hotel Pestana, propriedade de empresários portugueses.

Segundo fontes não oficiais, os funcionários do Serviço Bolivariano de Inteligência (SEBIN, serviços secretos), que no início da semana estiveram no Hotel Pestana Caracas, identificaram dois dos suspeitos na listagem dos hóspedes e em vídeos das câmaras de segurança do hotel.

Os resultados da operação fazem parte de uma informação do Ministério Público. No Hotel Pestana, terão ficado alojados Brayan de Jesus Oropeza Ruíz, apelidado de "El Poeta", que alegadamente terá operado um dos drones (aviões não tripulados), e também Gregório José Yaguas Monge, conhecido como "El Latino".

As reservas do hotel foram feitas para os dias compreendidos entre 01 e 04 de agosto e, segundo Ministério Público, teriam sido pagas pela empresa Stand Electronic 327 CA, dirigidas por José Eloy Rivas e Elvis Arnoldo Rivas Barrios.

As investigações dão conta que outros três suspeitos ficaram alojados no hotel Altamira Suites.

No sábado, duas explosões que as autoridades dizem terem sido provocadas por dois drones obrigaram o Presidente da Venezuela a abandonar rapidamente uma cerimónia de celebração do 81.º aniversário da Guarda Nacional Bolivariana (polícia militar).

O governo venezuelano acusou a oposição venezuelana de estar envolvida no atentado, em conjunto com opositores radicados no estrangeiro.

Pelo menos dez pessoas foram detidas pelas autoridades pelo alegado envolvimento no atentado.

As autoridades tentam dar com o paradeiro de outras 15 pessoas, alegadamente envolvidas no atentado.

Na última segunda-feira, funcionários do SEBIN retiraram os hóspedes do Hotel Pestana Caracas, que foram realojados noutro hotel.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.