Venezuela diz que 2.200 toneladas de pernil estão retidas na Colômbia

Na quinta-feira, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acusou Portugal de sabotar a importação de pernil de porco

A Venezuela afirmou que 2.200 toneladas de pernil estão retidas na Colômbia, depois de Portugal ter negado as acusações do presidente Nicolás Maduro sobre a falta deste alimento tradicional de Natal que prometeu distribuir ao povo.

"Informo à Venezuela que as 2.200 toneladas de pernil estão retidas na Colômbia", disse na quinta-feira o ministro venezuelano da Agricultura Urbana, Freddy Bernal, numa mensagem publicada na sua conta do 'Twitter', destacando que "a sabotagem é dos Estados Unidos "ao congelar as contas dos que vendem comida ao país".

De acordo com Bernal, "o governo colombiano mantém há sete dias os pernis retidos na fronteira de Paraguachón", entre La Guajira e o estado venezuelano de Zulia.

O ministro venezuelano que também é responsável pelo sistema de distribuição de alimentos, os denominados Comités Locais de Abastecimento e Produção, disse numa outra mensagem que "60% do pernil que até agora foi distribuído foi graças à compra feita aos produtores nacionais".

Para o governante, "a percentagem programada foi sabotada" pelos Estados Unidos e pelos "seus aliados comerciais no mundo".

Na quinta-feira, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acusou Portugal de sabotar a importação de pernil de porco, depois de Caracas ter feito um plano de importação e acertado os pagamentos.

Este problema levou os venezuelanos para as ruas em protesto contra o Governo do Presidente Nicolás Maduro pelo incumprimento da promessa de distribuir pernil de porco na época do Natal, reclamando que também não terão aquele e outros produtos no fim de ano.

O ministro dos Negócios Estrangeiros português rejeitou a acusação de sabotagem à venda de carne de porco à Venezuela, frisando que Portugal é uma economia de mercado em que o Governo não interfere nas relações entre empresas.

Entretanto, a empresa agroalimentar Raporal informou que a Venezuela deve cerca de 40 milhões de euros às empresas portuguesas fornecedoras de pernil de porco àquele país, dos quais 6,9 milhões lhe são devidos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.