Democracia na Venezuela acabou, diz presidente do congresso colombiano

Senador desafiou o país vizinho a realizar eleições "livres e diretas"

O presidente do Congresso da Colômbia, o senador Mauricio Lizano, afirmou na terça-feira que a democracia na Venezuela acabou, instando o país vizinho a realizar eleições "livres e diretas" rapidamente.

A declaração foi feita numa mensagem vídeo e divulgada na rede de mensagens instantâneas Twitter, na qual Lizano também escreveu que se reuniu com deputados do Partido Primero Justiça, da oposição venezuelana, ao qual pertence o antigo candidato presidencial Henrique Capriles.

"Estamos muito preocupados porque a democracia nesse país acabou-se. Envio daqui toda a nossa solidariedade com o povo venezuelano por causa do que se está a passar. Acreditamos, de verdade, que devem encontrar uma saída, o mais breve possível, para resolver esta crise", afirmou Lizcano.

A Venezuela encontra-se mergulhada numa grave política e económica.

Os protestos contra o governo do Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, intensificaram-se particularmente desde o início de abril e transformaram-se, diversas vezes, em confrontos violentos, que resultaram em 37 mortos, de acordo com dados oficiais.

Trata-se de um número inferior comparativamente ao balanço divulgado na terça-feira pela organização não-governamental Observatório Venezuelano de Conflituosidade Social (OVSC), segundo o qual pelo menos 44 pessoas morreram na sequência de quase mil protestos realizados entre 01 de abril e 07 de maio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.