Colômbia diz-se incapaz de responder sozinha a fluxo de migrantes venezuelanos

"A Colômbia não pode enfrentar essa situação sozinha. Fizemos esforços significativos nos últimos tempos e eles continuarão, mas a escala da crise é tal que não temos capacidade suficiente para lhe responder", alertou um responsável governamental

O chefe da diplomacia da Colômbia afirmou que o país não consegue lidar sozinho com a chegada de dezenas de milhares de migrantes venezuelanos e pediu uma resposta internacional.

"A Colômbia não pode enfrentar essa situação sozinha. Fizemos esforços significativos nos últimos tempos e eles continuarão, mas a escala da crise é tal que não temos capacidade suficiente para lhe responder", alertou Carlos Holmes Trujillo, em declarações à Rádio Caracol.

Entre as medidas que o Governo colombiano reclama encontram-se a criação de um fundo multilateral de emergência e a nomeação de um alto funcionário das Nações Unidas para coordenar as ações dos países latino-americanos.

"Este é um problema que nos afeta principalmente como país, mas é uma crise que afeta toda a região, dada a grandeza deste fluxo", acrescentou o ministro dos Negócios Estrangeiros da Colômbia.

Os venezuelanos, sufocados pela crise económica, sofrem com a escassez que atinge necessidades básicas, incluindo medicamentos e alimentos.

Segundo a ONU, dos 2,3 milhões de venezuelanos que vivem no exterior, mais de 1,6 milhões fugiram desde 2015.

A Colômbia, que partilha 2.200 quilómetros de fronteira com a Venezuela, recebeu nos últimos anos mais de um milhão de pessoas deste país, das quais 820.000 regularizaram a sua situação.

Onze países latino-americanos, reunidos pela primeira vez na semana passada sobre a crise dos migrantes venezuelanos, apelaram a Caracas para que aceite ajuda humanitária para conter o afluxo, que desestabiliza a capacidade da região de receber pessoas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.