Nicolás Maduro tem medidas contra o provável bloqueio dos EUA

O presidente da Venezuela diz estar preparado para eventuais sansões comerciais, petrolíferas e financeiras

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou esta terça-feira que o seu governo preparou várias medidas para defender o país de um eventual bloqueio comercial, petrolífero e financeiro dos Estados Unidos.

"Tenho preparado um conjunto de decisões e medidas para defender o país do bloqueio comercial, petrolífero e financeiro que decretará Donald Trump contra a Venezuela. Estamos preparados", disse.

O anúncio foi feito num encontro de mais de três horas com a imprensa internacional, que decorreu no palácio presidencial de Miraflores, em Caracas, durante o qual o governante disse contar com "o apoio decidido" de todo o povo venezuelano "e dos governos e povos do mundo, porque ninguém afogará nem cercará a Venezuela".

"As medidas que preparam os EUA são para castigar a Venezuela, mas eu vou defender o país das ameaças", frisou.

Segundo Nicolás Maduro, uma sondagem dá conta de que 86% da população está contra uma invasão militar norte-americana, enquanto a oposição "saiu a santificar essa ameaça e a solicitar o bloqueio económico e financeiro contra a Venezuela".

"Afortunadamente, agora temos a Assembleia Constituinte. Já não temos, nacionalmente, nenhum tipo de impedimento legal como nos impunha o velho parlamento burguês [...], de sabotagem permanente, de travagens, de bloqueios económicos", disse.

De acordo com o presidente, a Assembleia Constituinte (AC) "vai acompanhar e ter um papel chave nos anúncios e ações" desenvolvidas proximamente, e com a sua constituição não há impedimentos à preservação da paz no país perante ataques internacionais: "Foi a jogada perfeita".

"A Constituinte deve começar o processo de recuperação económica e combater a inflação induzida", disse, recordando que a este órgão tem "plenos poderes" e que os funcionários 'chavistas' que se se desvincularam do regime devem ser tratados "com contundência legal".

"E para isso estão [em funções] os 'constituintes' [membros da AC]", sublinhou.

Maduro assegurou que em 2018 a Venezuela terá eleições presidenciais e que, uma vez que a AC termine de redigir a nova Constituição, submeterá a proposta a um "referendo consultivo".

"No próximo ano, por esta data, estaremos em campanha presidencial. Vamos ganhar as eleições, porque não vamos oferecer o poder político à oligarquia", disse.

Nicolás Maduro anunciou que na próxima semana haverá uma reunião preparatória de uma cimeira mundial de solidariedade para com a Venezuela e que prevê encontrar-se proximamente com o seu homólogo russo, Vladimir Putin.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.