Ataque lançado a partir de helicóptero contra Supremo Tribunal

Nicolas Maduro, presidente da Venezuela, classificou o ataque como terrorismo

"Ativei todas as forças armadas para defender a ordem. Capturámos rapidamente o helicóptero e aqueles que realizaram este ataque terrorista", declarou Nicolas Maduro.

O incidente ocorreu quando Maduro falava aos jornalistas, reunidos no palácio presidencial de Miraflores, numa cerimónia transmitida em direto pela televisão estatal.

O presidente venezuelano afirmou que foi aberto fogo contra o tribunal a partir de um helicóptero, tendo sido lançada pelo menos uma granada, que não explodiu.

Um jornalista da agência de notícias norte-americana Associated Press (AP) disse ter ouvido tiros, enquanto um helicóptero sobrevoava o centro da capital, mas não conseguiu confirmar a proveniência dos disparos.

Alguns relatos indicaram que o helicóptero, de cor azul, transportava um banner antigovernamental e era alegadamente pilotado por um polícia que se autodeclarou em rebelião, num vídeo publicado nas redes sociais.

A agência noticiosa espanhola Efe disse tratar-se de um inspetor da polícia científica, que identificou como Oscar Perez.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.