Venezuela: Comerciante lusodescente assassinado por homens armados

A vítima foi assassinada por quatro homens armados que tentaram sem sucesso roubar-lhe um camião

Um comerciante luso-venezuelano de 31 anos foi assassinado por homens armados, os quais tentaram roubar-lhe um camião, na localidade de Ocumare, a 75 quilómetros a sudoeste de Caracas, segundo fontes comunidade portuguesa local.

O homicídio ocorreu na tarde de sexta-feira, quando Juan Adriano da Silva Marques regressava de uma viagem ao interior do país, para comprar maçarocas, disseram as fontes à agência Lusa.

A vítima foi assassinada por quatro homens armados que, conduziam duas motos, e tentaram sem sucesso roubar-lhe o camião.

Os assaltantes tentaram fazer com que o luso-venezuelano reduzisse a velocidade do camião e dispararam contra ele, atingindo-o no pescoço, cara e costas.

Um amigo da vítima também foi ferido, encontrando-se atualmente hospitalizado.

Na Venezuela são cada vez mais frequente as queixas da população em relação à elevada insegurança no país, havendo a perceção de que a crise económica, política e social, terá intensificado a criminalidade.

Há vários anos que os proprietários de camiões queixam-se também da insegurança. Além do roubo de viaturas, muitos comerciantes acabam por perder as suas compras durante pilhagens.

A situação tem obrigado os grandes fabricantes a retirarem todos os avisos identificativos das viaturas, nomeadamente a publicidade das suas marcas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.