Etapa da Vuelta marcada por mensagens de apoio a presos da ETA

Frases foram pintadas em nove veículos da caravana oficial da prova, que está a passar pelo País Basco, e apelam à libertação dos membros ligados ao grupo terrorista que ainda estão presos

Nove veículos da caravana oficial da Volta à Espanha apareceram esta quarta-feira vandalizados com pinturas que apelam à libertação dos membros ligados à ETA que se encontram encarcerados e contra a corrida de ciclismo, noticiou o jornal ABC.

As carrinhas apareceram pintadas com as frases de ordem: "Anistia osoa" (amnistia geral) e "Alde hemendik" (Fora daqui) em duas localidades do País Basco.

De acordo com fontes do Departamento de Segurança Basco, os veículos estavam estacionados no Paseo de La Canilla, em Portugalete; e na rua Rio Castaños, em Barakaldo.

Em maio deste ano, a ETA anunciou a decisão de encerrar o seu "ciclo histórico de 60 anos". A informação constava de uma carta datada de 16 de abril, enviada a várias instituições e agentes políticos, e onde a organização revelava que "dissolveu completamente todas as suas estruturas e deu por terminada a sua iniciativa política".

"O País Basco tem agora pela frente uma nova oportunidade para encerrar definitivamente o ciclo de conflito e construir o futuro com todos", dizia o documento.

Na altura, a ETA reconheceu os "danos causados" e a "responsabilidade direta" no "sofrimento excessivo" da sociedade basca durante décadas, pelo qual pediu "sinceras desculpas".

"Causámos muita dor e danos irreparáveis, queremos mostrar o nosso respeito aos mortos, feridos e vítimas das ações da ETA. Lamentamos muito", declarou a organização, num comunicado divulgado pelos jornais espanhóis Gara e Berria.

A ETA (Euskadi ta Askatasuna ou Pátria Basca e Liberdade) matou mais de 800 pessoas durante a sua campanha para criar um Estado basco independente no norte de Espanha e no sul de França.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.