Vaticano prepara esclarecimentos sobre acusações contra o papa Francisco

Os cardeais que estão reunidos no Vaticano referiram que estão cientes de que a "Santa Sé está a trabalhar na formulação dos potenciais e necessários esclarecimentos".

O Vaticano está a preparar os "esclarecimentos necessários" sobre as acusações de que altos oficiais do Vaticano, incluindo o papa Francisco, encobriram a má conduta sexual de um antigo cardeal norte-americano, foi esta segunda-feira anunciado.

Em comunicado, os nove cardeais conselheiros do papa Francisco expressaram a sua "total solidariedade" em relação ao caso.

Os cardeais, que estão reunidos no Vaticano esta semana, referiram que estão cientes de que a "Santa Sé está a trabalhar na formulação dos potenciais e necessários esclarecimentos".

O papa Francisco recusou-se a responder a um documento de 11 páginas, publicado em 26 de agosto pelo arcebispo Carlo Maria Viganò, ex-núncio apostólico nos Estados Unidos da América, no qual acusava Francisco de não ter sido célere na denúncia e resolução dos casos de pedofilia.

O arcebispo acusou mais de duas dúzias de pessoas do Vaticano e oficiais dos Estados Unidos da América de saberem e de encobrirem o antigo cardeal Theodore McCarrick, que foi acusado de molestar sexualmente e assediar menores e adultos.

Carlo Maria Viganò referiu que o papa Francisco anulou as sanções canónicas a Theodore McCarrick, que tinham sido impostas pelo papa Bento XVI em 2009 e 2010, salientado que o Vaticano sabia, pelo menos desde 2000, que o antigo cardeal dormiu com seminaristas.

Na sequência do escândalo, e além das críticas, o papa Francisco tem recebido também várias mensagens de apoio. Recentemente, a Conferência Episcopal do Chile, através de uma carta enviada ao argentino, disse que este "está a receber ataques injustos como resultado de avaliações imprudentes e imputações injustas por parte de membros da mesma Igreja".

Um dia antes dos chilenos, os bispos portugueses também endereçaram uma carta ao líder da Igreja Católica em que disseram estar disponíveis para erradicar a "chaga" do abuso sexual de menores por padres.

No mesmo documento, os bispos portugueses dizem partilhar do sofrimento do papa Francisco e de toda a Igreja no que toca ao "drama do abuso de menores", propondo-se ainda a "seguir as orientações para erradicar as causas desta chaga".

"Empenhar-nos-emos em incrementar uma cultura de prevenção e proteção dos menores e vulneráveis em todas as nossas comunidades", refere a carta, redigida pelos bispos, reunidos em Fátima, no Simpósio Nacional do Clero, e que agradecem ainda ao papa Francisco pela "oportuna e corajosa Carta ao Povo de Deus", que aborda a questão do abuso de menores por parte de membros responsáveis da Igreja Católica.

Já Francisco, no passado dia 3 de setembro, na homília que presidiu na Capela da Casa de Santa Marta, pediu que "o Senhor nos dê graça de discernir quando temos de falar e quando nos devemos calar".

O papa recomendou ainda que o silêncio e a oração seja a resposta "aos que apenas procuram escândalo".

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.