Vários mortos em queda de dois aviões de turismo: seguiam duas crianças a bordo

Pequeno avião que transportava um casal e dois menores numa floresta em Hergiswil, no cantão de Nidwalden, e incendiou-se de imediato

Dois aviões de turismo despenharam-se este sábado no centro e no leste da Suíça fazendo vários mortos, indicou a polícia e a imprensa helvéticas.

De manhã, um pequeno avião que transportava um casal e duas crianças pequenas caiu numa floresta em Hergiswil, no cantão de Nidwalden, e incendiou-se de imediato.

Segundo um comunicado da polícia cantonal, o avião tinha descolado do aeroporto de Kägiswil, no cantão vizinho de Obwald, com destino a França, pouco depois das 09:30 locais (08:30 em Lisboa).

O fogo rapidamente se propagou em torno da zona do acidente, tendo sido necessária a intervenção de um helicóptero antes de as equipas de socorro poderem aproximar-se do local.

Durante a tarde, um segundo avião de turismo colidiu com uma montanha no cantão dos Grisons (leste). O acidente ocorreu em Piz Segnas, um maciço com 3.099 metros de altura.

A polícia cantonal não estava ainda em condições de fornecer um balanço do número de vítimas, mas precisou que cinco helicópteros participavam nas operações de salvamento.

De acordo com o jornal francês 20 Minutes, o acidente ocorreu a 2.250 metros de altitude.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.