Vários mortos em queda de dois aviões de turismo: seguiam duas crianças a bordo

Pequeno avião que transportava um casal e dois menores numa floresta em Hergiswil, no cantão de Nidwalden, e incendiou-se de imediato

Dois aviões de turismo despenharam-se este sábado no centro e no leste da Suíça fazendo vários mortos, indicou a polícia e a imprensa helvéticas.

De manhã, um pequeno avião que transportava um casal e duas crianças pequenas caiu numa floresta em Hergiswil, no cantão de Nidwalden, e incendiou-se de imediato.

Segundo um comunicado da polícia cantonal, o avião tinha descolado do aeroporto de Kägiswil, no cantão vizinho de Obwald, com destino a França, pouco depois das 09:30 locais (08:30 em Lisboa).

O fogo rapidamente se propagou em torno da zona do acidente, tendo sido necessária a intervenção de um helicóptero antes de as equipas de socorro poderem aproximar-se do local.

Durante a tarde, um segundo avião de turismo colidiu com uma montanha no cantão dos Grisons (leste). O acidente ocorreu em Piz Segnas, um maciço com 3.099 metros de altura.

A polícia cantonal não estava ainda em condições de fornecer um balanço do número de vítimas, mas precisou que cinco helicópteros participavam nas operações de salvamento.

De acordo com o jornal francês 20 Minutes, o acidente ocorreu a 2.250 metros de altitude.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".