Suspeitas de terrorismo no incidente que fez dois feridos junto ao Parlamento britânico

Um carro atropelou peões e ciclistas antes de embater nas barreiras de segurança. Polícia deteve o condutor, do sexo masculino. Um dos feridos já teve alta, outro continua no hospital com ferimentos graves, mas não corre risco de vida. Investigação liderada pelos serviços antiterroristas da polícia.

Um Ford Fiesta prateado atropelou vários peões e ciclistas esta manhã antes de embater contra as barreiras de segurança no exterior do Parlamento britânico, causando pelo menos dois feridos. Um deles continua hospitalizado em estado grave, mas não corre risco de vida. O condutor, um homem na casa dos 20 anos, foi detido pelas autoridades por suspeita de terrorismo.

Apesar de dizer manter "a mente aberta", a polícia britânica escreveu primeiro no Twitter que a investigação estava a ser liderada pelos serviços antiterroristas. Mais tarde, confirmaram em comunicado que o caso estava a ser tratado como um incidente terrorista, visto parecer "um ato deliberado", o método usado e o facto de ser um local icónico.

A polícia indicou que não descobriu armas no veículo, onde só seguia o suspeito, que não está a colaborar com as autoridades. "Nesta fase inicial das investigações, não foram identificados outros suspeitos", indicou a polícia, pedindo a eventuais testemunhas que entrem em contacto e enviem imagens do incidente.

Por questões de segurança, barreiras de metal e betão rodeiam o Parlamento britânico. As medidas de segurança foram reforçadas após o atentado terrorista na ponte de Westminster, em março de 2017, quando Khalid Masood lançou o carro contra a multidão, matando quatro pessoas. O atacante esfaqueou e matou depois um polícia desarmado, antes de ser abatido pelas autoridades à entrada do Parlamento.

Três meses depois, a 3 de junho de 2017, uma carrinha atropelou de propósito várias pessoas na London Bridge. Os três ocupantes atacaram depois as pessoas numa zona de restaurante e pubs, antes de serem mortos pela polícia. O ataque, perpetrado por islamitas inspirados pelo Estado Islâmico, fez oito vítimas mortais. Houve ainda 48 feridos.

O que aconteceu hoje?

A BBC divulgou um vídeo em que se mostra o incidente, gravado a partir de uma câmara num telhado.

"Às 7.37 de hoje, um carro embateu contra as barreiras no exterior do Parlamento. O condutor do sexo masculino foi detido pelos agentes no local. Vários peões ficaram feridos. Os agentes continuam no local. Vamos dar mais informação quando a tivermos", lê-se no Twitter da Metropolitan Police.

Nas redes sociais, o correspondente da Euronews e da NBCNews em Londres, Vincent McAviney, publicou um vídeo em que se vê o momento em que o suspeito é detido pela polícia.

Segundo testemunhas no local, citadas pelos media britânicos, o carro terá embatido contra um grupo de ciclistas, antes de chocar contra a barreira. As testemunhas dizem que a ação do condutor "parece ter sido deliberada".

Os serviços de ambulâncias de Londres revelaram ter tratado duas pessoas no local, por ferimentos que acredita não serem graves. Os feridos foram transportados para o hospital.

Reação de May

A primeira-ministra britânica, Theresa May, já deixou uma mensagem no Twitter: "Os meus pensamentos estão com os feridos no incidente em Westminster e o meu agradecimento aos serviços de emergência pela resposta imediata e corajosa", escreveu.

Na mesma rede social, o presidente da câmara de Londres, Sadiq Khan, diz estar em contacto com as autoridades por causa do incidente. "Obrigado aos polícias e socorristas que chegaram rapidamente ao local", indicou.

Numa segunda mensagem, disse que, como todos os londrinos, condena totalmente todos os atos de terrorismo na cidade.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.