Várias vítimas em explosão perto de uma escola em Damasco

Um carro-bomba explodiu nos arredores de uma escola na capital da Síria

Várias pessoas morreram ou ficaram feridas devido a uma explosão durante a noite nas proximidades de uma escola iraniana no centro de Damasco, segundo ativistas e meios de comunicação oficiais sírios.

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos apontou que um automóvel-bomba explodiu nos arredores de uma escola iraniana no bairro de Kafr Susa, na capital.

Por seu turno, a agência de notícias estatal Sana, assinalou que houve uma "explosão terrorista" causada por um veículo carregado com explosivos na zona de Kafr Susa, sem, no entanto, adiantar mais detalhes.

O Observatório adiantou que nas últimas horas eclodiram combates entre efetivos governamentais e combatentes de grupos armados opositores nas imediações do campo de refugiados palestinianos de Al Yarmuk, a cinco quilómetros do centro de Damasco.

A Síria é desde há cinco anos cenário de conflitos que já provocaram mais de 280.000 mortos, de acordo com dados do Observatório.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.