Dois mortos e seis feridos em esfaqueamento na Finlândia. Um atacante detido

Não está claro se foi um incidente terrorista, segundo as autoridades

Pelo menos duas pessoas morreram e seis ficaram feridas esta sexta-feira à tarde num ataque com uma arma branca na cidade de Turku, na Finlândia. O atacante foi baleado pela polícia e detido.

As autoridades dizem que até ao momento há apenas um suspeito do incidente, mas revelam que ainda estão à procura de potenciais cúmplices. Para já, não está claro se se tratou de um incidente terrorista nem são conhecidas as motivações do atacante, segundo a Reuters.

Entretanto, foi reforçada a segurança em todo o país, incluindo no aeroporto de Helsínquia e nas gares.

O incidente ocorreu perto da praça de Puutori. A cidade de Turku fica a cerca de 170 quilómetros de Helsínquia, capital da Finlândia.

A polícia revelou pelo Twitter que oito pessoas foram esfaqueadas, e duas delas acabaram por morrer.

As autoridades estabeleceram um perímetro de segurança em volta do centro de Turku, uma cidade de cerca de 200 mil habitantes, que chegou a ser capital do país, e pediram que a população evite passar por esta zona.

A imprensa local diz que as autoridades está a fazer buscas em comboios e autocarros que partem da cidade.

A televisão pública Yle noticiou que no local eram visíveis vários corpos estendidos no chão e que poderá haver pelo menos uma vítima mortal, uma vez que um dos corpos estava completamente tapado.

O tabloide Ilta-Sanomat tinha avançado que pelo menos seis pessoas ficaram feridas, um homem e cinco mulheres, e que uma mulher com um carrinho de compras foi atacada por um homem com uma faca grande.

A imprensa local diz ainda que a polícia está a fazer buscas em comboios e autocarros que partem da cidade e que foi reforçada a segurança no aeroporto de Helsínquia e nas gares.

Nas redes sociais começam a ser publicadas imagens do incidente. Foi divulgado um vídeo que mostra pessoas a correrem nas ruas e em que se ouvem gritos.

O primeiro-ministro da Finlândia Juha Sipila escreveu no Twitter que "o governo está a acompanhar de perto a situação em Turku e o desenrolar da operação policial". Foi marcada uma reunião do governo para hoje.

A ministra do Interior, Paula Risikko, anunciou que a segurança vai ser reforçada em todo o país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.