Vala comum com 166 crânios encontrada no México

Segundo as autoridades, esta é uma das maiores valas comuns clandestinas descobertas no México

Uma vala comum clandestina com 166 crânios foi encontrada no estado mexicano de Vera Cruz, anunciaram na quinta-feira investigadores criminais.

Segundo as autoridades, esta é uma das maiores valas comuns clandestinas descobertas no México, onde são frequentemente usadas por cartéis de droga para enterrar as suas vítimas.

Os investigadores encontraram também na fossa roupas, pertences pessoais e outras ossadas, mas focaram-se nos crânios durante o processo de contagem. Mais de uma centena de cartões de identidade foram descobertos no local.

O procurador de Vera Cruz, Jorge Winckler, disse, citado pela agência Associated Press, que os corpos foram enterrados pelo menos há dois anos.

O estado mexicano de Vera Cruz tem sido palco de guerras entre os cartéis de droga Zetas e Jalisco, mas também de ondas de sequestros e extorsões

A vala foi encontrada depois de uma testemunha ter dito às autoridades que "centenas de corpos" foram enterrados no local, que não foi revelado por questões de segurança.

Para localizar a vala, a equipa de peritos usou 'drones' (veículos aéreos controlados remotamente) e sondas, tendo iniciado as escavações há um mês.

O estado mexicano de Vera Cruz tem sido palco de guerras entre os cartéis de droga Zetas e Jalisco, mas também de ondas de sequestros e extorsões.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.