Vala comum com 166 crânios encontrada no México

Segundo as autoridades, esta é uma das maiores valas comuns clandestinas descobertas no México

Uma vala comum clandestina com 166 crânios foi encontrada no estado mexicano de Vera Cruz, anunciaram na quinta-feira investigadores criminais.

Segundo as autoridades, esta é uma das maiores valas comuns clandestinas descobertas no México, onde são frequentemente usadas por cartéis de droga para enterrar as suas vítimas.

Os investigadores encontraram também na fossa roupas, pertences pessoais e outras ossadas, mas focaram-se nos crânios durante o processo de contagem. Mais de uma centena de cartões de identidade foram descobertos no local.

O procurador de Vera Cruz, Jorge Winckler, disse, citado pela agência Associated Press, que os corpos foram enterrados pelo menos há dois anos.

O estado mexicano de Vera Cruz tem sido palco de guerras entre os cartéis de droga Zetas e Jalisco, mas também de ondas de sequestros e extorsões

A vala foi encontrada depois de uma testemunha ter dito às autoridades que "centenas de corpos" foram enterrados no local, que não foi revelado por questões de segurança.

Para localizar a vala, a equipa de peritos usou 'drones' (veículos aéreos controlados remotamente) e sondas, tendo iniciado as escavações há um mês.

O estado mexicano de Vera Cruz tem sido palco de guerras entre os cartéis de droga Zetas e Jalisco, mas também de ondas de sequestros e extorsões.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.