Vaga de frio siberiano atinge Europa e já causou pelo menos dez mortos

Em Portugal, os serviços meteorológicos emitiram avisos laranja para três distritos devido à queda de neve

A vaga de frio siberiano que atinge o continente europeu deve acentuar-se hoje, depois de ter causado pelo menos dez mortos nos últimos três dias.

Em França, três pessoas sem-abrigo foram encontradas mortas no domingo em Valence (sudeste) e um outro, na sexta-feira, na região parisiense.

As temperaturas glaciais, agravadas por um vento de nordeste, devem alcançar hoje 10 graus negativos (com uma sensação térmica de 18 graus negativos.

Hoje e quarta-feira devem ser os dias mais frios em França, onde não se registavam estas temperaturas desde 2005.

Em Bruxelas, Bélgica, com temperaturas entre -10ºC e -15ºC, foi ordenada a detenção administrativa de pessoas que não vão voluntariamente para os abrigos, uma medida já aplicada a dez sem-abrigo.

Na capital italiana, Roma, uma fina camada de neve cobriu as ruas, ao fim de seis anos, obrigando ao encerramento de escolas.

Na região de Veneza, Dolina Campoluzzo, situada a uma altitude de 1.768 metros, registou na noite de domingo uma temperatura de 40 graus negativos, devido a um microclima.

Na Alemanha, no topo do Zugspitze (2.962 metros), a montanha mais alta daquele país, os termómetros desceram na noite de domingo até aos -27ºC. Em Berlim, onde perto de 3.000 vivem nas ruas, os refúgios correm o risco de ficar sobrelotados.

As temperaturas baixaram para os 23 graus negativos em Tamsweg, perto de Salzburgo (oeste). O rio Danúbio está congelado em algumas partes.

Nas Canárias, na ilha de Tenerife, oito turistas alemãs tiveram de passar a noite de domingo numa gruta devido à chuva e vento fortes, antes de terem sido socorridos por via marítima. Novecentos outros turistas foram forçados a passar a noite nos hotéis, por causa dos desvios dos voos.

Em Sófia, capital da Bulgária, a temperatura mínima é de sete graus negativos e os serviços meteorológicos emitiram alerta laranja (o segundo mais grave) para duas regiões do sul, próximas da Grécia. O tráfego no aeroporto da capital está a sofrer perturbações.

Na Roménia, um homem de 65 anos foi encontrado morto no exterior da sua casa. A circulação de vários comboios foi interrompida por causa da neve e escolas por todo o país devem permanecer hoje fechadas.

Outro acontecimento raro verificou-se na costa do Adriático, onde nevou. Na segunda-feira, a capital da Croácia, Zagreb, os termómetros chegaram aos dez graus abaixo de zero.

A vaga de frio, dominada "O Urso da Sibéria", deve culminar na quinta-feira com uma temperatura sentida de 17 graus negativos, segundo o Instituto Meteorológico.

A neve está a atingir o leste de Inglaterra e os serviços meteorológicos emitiram alertas até quarta-feira, inclusive. Esta semana deverá ser a "mais fria" dos últimos anos.

Em Estocolmo, as temperaturas rondam os cinco graus negativos e chegam aos -20ºC em Östersund, um destino de esqui.

Na Suécia, a neve perturbou na segunda-feira o tráfego no aeroporto de Arlanda, na capital, e os comboios ficaram bloqueados no oeste.

Quatro pessoas morreram desde sexta-feira, elevando a 48 o número de mortos causados pelo frio desde novembro.

Três pessoas morreram nos últimos três dias, segundo a agência Baltic News Service, com sede na Estónia.

Na Rússia, registaram-se temperaturas "anormalmente frias" no centro do país e em Moscovo, oscilando entre os -14ºC e os -24ºC, esperando-se um "pico de frio".

Em Portugal, os serviços meteorológicos emitiram avisos laranja para três distritos -- Bragança, Vila Real e Guarda -- devido à queda de neve acima dos 400/600 metros.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.