Vaga de frio da Sibéria já matou quase 50 pessoas na Europa

As temperaturas muito baixas, que deverão durar até esta quinta-feira, está afetar principalmente os sem-abrigo

A vaga de frio proveniente da Sibéria matou quase 50 pessoas na Europa até esta quarta-feira, muitas delas sem-abrigo, e continua a causar estragos e a semear o caos nos transportes.

Apontada como "A Besta do Oriente" pelos meios de comunicação britânicos, "O Urso Siberiano" pelos media na Holanda ou o "Canhão de Neve" na Suécia, a onda de frio fez pelo menos 47 mortos desde sexta-feira.

De acordo com um balanço feito com informação da agência AFP, registaram-se 18 mortos na Polónia, seis na República Checa, cinco na Lituânia, quatro em França e na Eslováquia, dois em Itália e na Roménia, na Sérvia e na Eslovénia, um na Holanda e pelo menos um em Espanha, no País Basco. Na Estónia, o frio matou sete pessoas em fevereiro.

Na noite de terça para quarta-feira, o mercúrio caiu para -21°C nas regiões montanhosas da Croácia e da Bósnia, -20°C em Lübeck, no norte da Alemanha, -19°C no sul da Polónia, -18°C perto de Liège na Bélgica e -10°C nas proximidades de Londres.

Na Suíça, um pico de -36°C foi registado em Glattalp, a 1.850 metros acima do nível do mar, um local desabitado e onde acontecem habitualmente este tipo de extremos.

As temperaturas muito baixas, que deverão durar até quinta-feira, afetaram principalmente os sem-abrigo. Três deles morreram em França e na República Checa desde sexta-feira e dois em Itália, incluindo um que se recusou a deixar o lugar onde dormia, em Milão.

Na Alemanha, a Associação dos Sem-Abrigo pediu aos centros de acolhimento para que permaneçam abertos o dia todo e não apenas de noite. Em França, o ministro da Coesão Territorial Jacques Mézard anunciou que havia 150 mil espaços para abrigo de emergência, "um número nunca alcançado".

Em toda a Europa, a neve e o gelo causaram estragos nas estradas, muitos voos foram cancelados ou atrasados nos aeroportos britânicos e, na Irlanda, a companhia aérea Ryanair cancelou todos os voos que partem e chegam de Dublin.

Os aeroportos de Edimburgo e Glasgow, os mais importantes da Escócia, estiveram hoje fechados e os comboios e autocarros interromperam os serviços devido à intensa tempestade de neve que atinge a região.

A quantidade de neve acumulada e a previsão de que a tempestade deverá intensificar-se durante a noite e até a manhã de quinta-feira levaram empresas como a British Airways, FlyBe e a easyJet a cancelarem voos nos maiores aeroportos da região: Edimburgo, Glasgow e Aberdeen.

Também muitas escolas foram fechadas no Reino Unido, na Irlanda, no norte da Espanha e em Portugal, na Bósnia e no Kosovo, bem como na Albânia, onde muitas aldeias e pequenas cidades ficaram isoladas, devido à neve e a estradas cortadas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.