Universidades Europeias. Passa a ser possível tirar um curso entre Espanha, Portugal e a Roménia

O projeto, que nasceu no âmbito das comemorações dos 30 anos do programa Erasmus, pretende criar 20 campus universitários transnacionais até 2024.

Espanha, Portugal e Roménia ou Paris, Berlim, Espanha. Os itinerários propostos dentro da União Europeia são vários. Até ao final de 2019, alunos, professores e investigadores vão poder começar a estudar ou a ensinar num país, passar por outros e terminar num diferente. A iniciativa Universidades Europeias foi criada em novembro de 2017, mas as candidaturas estão a ser recebidas agora, segundo o jornal espanhol El País.

O projeto nasceu na Cimeira Social de Gotemburgo, na Suécia, em novembro de 2017, no âmbito da comemoração dos 30 anos do programa Erasmus - que até 2014 permitiu a 9 milhões de pessoas estudar, receber formação, ensinar ou fazer voluntariado noutro país. As universidades europeias estão a agora a organizar-se em grupos que abranjam estabelecimentos de ensino de pelo menos três países e têm até 28 de fevereiro para apresentar a sua candidatura ao projeto.

Serão escolhidos seis grupos para começarem a implementar o projeto até ao final de 2019. Os restantes poderão tentar novamente em 2020, quando abrir novo processo de candidaturas. A Comissão Europeia prevê a existência de 20 campus universitários transnacionais até 2024. No entanto, há já quem esteja disposto a avançar com a ideia mesmo que o seu grupo não seja selecionado para esta fase do projeto. É o caso da Universidade Autónoma de Madrid, cujo reitor já manifestou a intenção de implementar o programa haja o que houver.

O projeto tem um financiamento de 30 milhões de euros e prevê que os estudos feitos nos outros países sejam reconhecidos no país de origem.

"Agora que há dúvidas sobre o futuro da Europa, a melhor maneira de nos unirmos é partilharmos a cultura", disse o reitor da Universidade Sapienza, em Roma, Eugenio Guadio, citado pelo El País, numa referência ao Brexit e ao aumento do discurso populista na Europa. Esta universidade faz parte do grupo Universidade Cívica Europeia, que inclui mais sete escolas de ensino superior."Há 20 anos o processo de Bolonha criou um espaço de conhecimento europeu e agora temos de criar a Europa do futuro, não apenas financeira, mas também cultural", reforçou o reitor.

Já foram feitas experiências com objetivos idênticos a este programa como por exemplo quatro mestrados partilhados entre as universidades do País Basco, em Espanha, e de Bordéus, em França. No entanto, este projeto da União Europeia é o mais ambicioso.

Até agora foram anunciadas seis candidaturas. Destas, há apenas um grupo que inclui uma universidade portuguesa - o Campus Europeu das Cidades Universitárias, que conta com a participação das Universidades de Salamanca (Espanha), de Coimbra (Portugal), de Alexandru Ioan Cuza, Iasi (Roménia), de Pavia (Itália), Poitiers (França) e Turku (Finlândia).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.