Universidade cria primeiro centro de investigação de ninjas

Objetivo é absorver a "sabedoria dos ninjas" e usá-la nos dias de hoje

Uma universidade japonesa vai criar o primeiro centro de investigação do mundo dedicado à cultura ninja. A Universidade Mie, em Kansai, vai estudar os assassinos vestidos de negro que se tornaram populares na história do Japão e na ficção para "aplicar a sabedoria ninja à sociedade moderna".

"Vamos investigar documentos antigos e colaborar com investigadores científicos para conseguirmos aplicar a sabedoria ninja à sociedade moderna", explicou Yuji Yamada, professor de história da universidade, citado pela AFP.

O centro de investigação vai abrir em julho, na cidade de Iga, que é considerada o berço das artes marciais feudais.

"Por exemplo, os ninjas queimavam incenso antes de saírem para afastar os males. Nós assumimos que o incenso podia aumentar a sua concentração e assim os ninjas evitavam serem feridos", continuou. Para o professor, investigar estas fragrâncias podia ter um efeito positivo nas nossas vidas.

Hisamatsu Makoto, também professor da universidade Mie, está a estudar a dieta dos ninjas, segundo a agência Nippon. Makoto acredita que conhecendo o sabor, a composição e a quantidade de calorias dos alimentos dos ninjas seria possível ter uma "boa referência" para o que comer em situações de emergência e desastre.

O centro de investigação vai publicar na internet os resultados das pesquisas em japonês e inglês, para torná-los acessíveis a todos.

Os ninjas estão a ser usados pelas autoridades como uma forma de aumentar o turismo no país. A autarquia japonesa de Aichi, em Nagoya, começou até a contratar ninjas a tempo inteiro para aumentar o turismo na zona.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.