Universidade cria primeiro centro de investigação de ninjas

Objetivo é absorver a "sabedoria dos ninjas" e usá-la nos dias de hoje

Uma universidade japonesa vai criar o primeiro centro de investigação do mundo dedicado à cultura ninja. A Universidade Mie, em Kansai, vai estudar os assassinos vestidos de negro que se tornaram populares na história do Japão e na ficção para "aplicar a sabedoria ninja à sociedade moderna".

"Vamos investigar documentos antigos e colaborar com investigadores científicos para conseguirmos aplicar a sabedoria ninja à sociedade moderna", explicou Yuji Yamada, professor de história da universidade, citado pela AFP.

O centro de investigação vai abrir em julho, na cidade de Iga, que é considerada o berço das artes marciais feudais.

"Por exemplo, os ninjas queimavam incenso antes de saírem para afastar os males. Nós assumimos que o incenso podia aumentar a sua concentração e assim os ninjas evitavam serem feridos", continuou. Para o professor, investigar estas fragrâncias podia ter um efeito positivo nas nossas vidas.

Hisamatsu Makoto, também professor da universidade Mie, está a estudar a dieta dos ninjas, segundo a agência Nippon. Makoto acredita que conhecendo o sabor, a composição e a quantidade de calorias dos alimentos dos ninjas seria possível ter uma "boa referência" para o que comer em situações de emergência e desastre.

O centro de investigação vai publicar na internet os resultados das pesquisas em japonês e inglês, para torná-los acessíveis a todos.

Os ninjas estão a ser usados pelas autoridades como uma forma de aumentar o turismo no país. A autarquia japonesa de Aichi, em Nagoya, começou até a contratar ninjas a tempo inteiro para aumentar o turismo na zona.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.