Universidade americana paga indemnização a ex-estudante ilibado de abuso sexual

Jovem natural do Porto recebeu uma indemnização no valor de 10 mil dólares (9000 euros) por parte da Universidade Estadual de San Diego que o suspendeu e divulgou a sua detenção

Após ter sido ilibado de uma acusação de abuso sexual, Francisco Sousa prossegue com a batalha para "limpar o seu nome". O ex-estudante nascido no Porto foi indemnizado em 10 mil dólares pela Universidade Estadual de San Diego, nos EUA, que na altura o suspendeu e divulgou o seu nome e detenção num email enviado a todos os alunos.

A notícia é esta segunda-feira avançada pelo Jornal de Notícias, segundo o qual o valor recebido pelo jovem é o resultante de um acordo legal entre as duas partes, na sequência de um processo judicial instaurado pelo mesmo. "Ao pagar, a universidade envia uma mensagem ao público, de reforçar que eu estava completamente inocente", afirmou em declarações ao JN.

Para além da indemnização ficou também determinado que nos arquivos policiais constará apenas o registo da sua ida à esquadra, sendo eliminada a detenção. Os funcionários e o departamento policial do campus da universidade terão uma formação adicional, de modo a evitar a repetição do sucedido.

Foi a dezembro de 2014 que Francisco Sousa foi preso e identificado, após a queixa de uma estudante de que o jovem a tinha sequestrado na casa de banho e forçado a sexo oral, depois de uma festa numa residência perto do campus. Francisco foi de imediato suspenso pela faculdade e em janeiro de 2015 a Justiça entendeu não ter fundamentos para a acusação, após a defesa apresentar provas de que os jovens mantinham uma relação íntima e consensual, ainda assim a suspensão só foi levantada seis meses depois.

O processo, desde a detenção do estudante até ao acordo com a universidade teve ampla cobertura pelos média, tornando-se num caso mediático nos Estados Unidos da América. Francisco Sousa concluiu este ano os cursos de Gestão e Economia, após transferência para outra faculdade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.