Unir a Colômbia não é o único desafio do futuro presidente

Mais de 36 milhões de eleitores votam hoje. O favorito é Iván Duque, apoiado pelo ex-presidente Álvaro Uribe, mas a esquerda pode pela primeira vez passar à segunda volta

Durante um ano, 20% dos colombianos diziam nas sondagens que iriam votar "em quem Álvaro Uribe escolhesse". Quando Ivan Duque, delfim do ex-presidente, venceu as primárias entre os conservadores, passou de ter menos de 10% das intenções de voto a ser o favorito à vitória. Mas pela primeira vez na história da Colômbia, a supremacia do centro e da direita está em risco. Tudo por causa de Gustavo Petro, o ex-guerrilheiro do Movimento 19 de Abril (desmobilizado em 1990) que já foi presidente da câmara de Bogotá e é o candidato mais forte que a esquerda alguma vez teve.

Tudo indica que nenhum deles consiga chegar aos 50% de votos na primeira volta das presidenciais, para a qual 36 milhões de eleitores são hoje convocados, mas devem avançar ambos para a segunda volta a 17 de junho. Contudo, se houve algo que os colombianos aprenderam com o referendo ao acordo de paz com a guerrilha das FARC é que as sondagens podem enganar - o "sim" era dado como vencedor, mas acabou por ganhar o "não", que Uribe defendia, por apenas 53 mil votos. É essa a esperança dos outros três candidatos mais de centro a suceder a Juan Manuel Santos: Sergio Fajardo, Germán Vargas Lleras e Humberto de la Calle.

Numa entrevista ao Financial Times, o presidente revelou que a sua maior "frustração" é a divisão. "Gostaria que a Colômbia estivesse mais unida. Vejo-a ainda mais dividida, a polarização parece ser uma doença global", afirmou Santos, que ganhou o Nobel da Paz em 2016 por ter convencido as FARC a abandonar as armas e pôr fim a mais de meio século de conflito.

Uma negociação de paz que não agradou a todos. Duque criticou a indulgência para com os líderes da guerrilha no aspeto judicial e político e prometeu rever isso, assim como o acordo que prevê a erradicação voluntária das plantações de coca - quer a erradicação forçada. Um dos problemas na Colômbia prende-se com a segurança, já que existem grupos criminosos a conquistar terreno nos espaços deixados livres pelas FARC, onde o governo ainda não consegue chegar.

Mas a questão da paz ou do narcotráfico já não são os temas que importam aos eleitores. A corrupção, o desemprego (cerca de 10%), a saúde ou a educação são os temas que, no conjunto, preocupam 70% dos colombianos. A quarta maior economia da América Latina é também um dos países mais desiguais da região. E é aí que Petro ganha força, com uma promessa de mudança que poderá pôr a esquerda (que tem tido ganhos a nível local e regional) a chegar pela primeira vez à segunda volta das presidenciais.

Se Duque beneficiou com o apoio de Uribe, acarinhado por parte da população por causa da sua mão de ferro contra a guerrilha, a verdade é que há também muitos colombianos que têm anticorpos contra o ex-presidente. Acusam-no de corrupção ou de ligações aos paramilitares, o que ele sempre negou. Do lado de Petro, o calcanhar de Aquiles é a alegada ligação ao "castro-chavismo", numa referência aos falecidos presidentes de Cuba e Venezuela. Os críticos dizem que as suas propostas são semelhantes às defendidas por Hugo Chávez no início da sua Revolução Bolivariana e acusam-no de querer transformar a Colômbia noutra Venezuela.

Outro dos desafios do futuro presidente será precisamente lidar com o milhão de venezuelanos que já cruzaram a fronteira. Um número que, à medida que a situação no país vizinho se deteriora, pode continuar a subir, causando mais tensões na Colômbia. Será também preciso trabalhar nas relações com o tradicional aliado EUA, após críticas do presidente Donald Trump à luta contra o narcotráfico.

Candidatos

Gustavo Petro, de ex-guerrilheiro a autarca

> Economista de 58 anos, o candidato da coligação Colômbia Humana é segundo nas sondagens e a esperança da esquerda. Antigo militante do Movimento 19 de Abril, diz nunca ter participado nos combates da guerrilha que entregou as armas em 1990 e se virou para a política. Em 2011, um ano depois de ter sido quarto nas presidenciais, foi eleito presidente da Câmara de Bogotá. É casado e tem seis filhos.

Iván Duque, o delfim do ex-presidente Uribe

> O favorito à vitória é filho de um ex--ministro e governador. Iván Duque, de 41 anos, é advogado e estudou Gestão Pública e Direito Económico nos EUA. Foi assessor de Juan Manuel Santos quando este era ministro das Finan-ças. Trabalhou mais de dez anos no Banco Interamericano de Desenvolvi-mento, lançando-se na política pela mão do ex-presidente Álvaro Uribe em 2014. Foi senador pelo Centro Democrático. Casado, tem três filhos.

Germán Vargas Lleras, neto de um presidente

> Ex-ministro do Interior e vice-presidente de Santos, Vargas Lleras diz não representar a continuidade. Neto do ex-presidente Carlos Lleras Restrepo, o advogado de 56 anos lançou-se na política aos 19. Foi senador durante quatro mandatos. Em 2002, perdeu dois dedos num atentado das FARC. Casado, é pai de uma conhecida bailarina e coreógrafa.

Sergio Fajardo, de professor a político

> Após ter sido professor universitário durante 20 anos, foi eleito presidente da Câmara de Medellín (2004-2007), ajudando a mudar a imagem da cidade, então sinónimo de narcotráfico. Em 2010, candidatou-se a vice-presidente e de 2012 a 2015, foi governador da Antioquia. O candidato da Coligação Colômbia (esquerda e Verdes) tem 61 anos. Casado, tem dois filhos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

Orçamento melhoral: não faz bem, mas também não faz mal

A menos de um ano das eleições, a principal prioridade política do Governo na elaboração do Orçamento do Estado do próximo ano parece ter sido não cometer erros. Esperar pelos da oposição. E, sobretudo, não irritar ninguém. As boas notícias foram quase todas libertadas nas semanas que antecederam a apresentação do documento. As más - que também as há - ou dizem pouco à esmagadora maioria da população, ou são direcionadas a nichos da sociedade que não decidem eleições.

Premium

Ricardo Paes Mamede

Tudo o que a troika não fez por nós

A crítica ao "programa de ajustamento" acordado com a troika em 2011 e implementado com convicção pelo governo português até 2014 já há muito deixou de ser monopólio das mentes mais heterodoxas. Em diferentes ocasiões, as próprias instituições em causa - FMI, Banco Central Europeu (BCE) e Comissão Europeia - assumiram de forma mais ou menos explícita alguns dos erros cometidos e as consequências que deles resultaram para a economia e a sociedade portuguesas. O relatório agora publicado pela Organização Internacional do Trabalho ("Trabalho Digno em Portugal 2008-2018: da Crise à Recuperação") veio questionar os mitos que ainda restam sobre a bondade do que se fez neste país num dos períodos mais negros da sua história democrática.

Premium

João Gobern

Simone e outros ciclones

O mais fácil é fazer coincidir com o avanço da idade o crescimento da necessidade - também um enorme prazer, em caso de dúvida - de conversar e, mais especificamente, do desejo de ouvir quem merece. De outra forma, tornar-se-ia estranho e incoerente estar às portas de uma década consecutiva em programas de rádio (dois, sempre com parceiros que acrescentam) que se interessam por escutar histórias e fazer eco de ideias e que fazem "gala" de dar espaço e tempo a quem se desafia para vir falar. Não valorizo demasiado a idade, porque mantenho intacta a certeza de que se aprende muito com os mais novos, e não apenas com aqueles que cronologicamente nos antecederam. Há, no entanto, uma diferença substancial, quando se escuta - e tenta estimular-se aqueles que, por vias distintas, passaram pelo "olho do furacão". Viveram mais (com o devido respeito, "vivenciaram" fica para os que têm pressa de estar na moda...), experimentaram mais, enfrentaram batalhas e circunstâncias que, de alguma forma, nos podem ser úteis muito além da teoria. Acredito piamente que há pessoas, sem distinção de sexo, raça, religião ou aptidões socioprofissionais, que nos valem como memória viva, num momento em que esta parece cada vez mais ausente do nosso quotidiano, demasiado temperado pelo imediato, pelo efémero, pelo trivial.

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.