Uma menina de 7 anos mudou um sinal "sexista" na Nova Zelândia

Zoe Carew escreveu uma carta para a Agência de Transportes a denunciar a situação. E esta aceitou a sugestão dela

Uma menina de sete anos neozelandesa convenceu a Agência de Transportes nacional a alterar a sinalética de manutenção nas linhas de tensão que refere "Linemen", literalmente "homens da Linha" para "Linecrew", ou seja, "equipa da Linha". Zoe Carew reparou que o sinal era "errado e injusto" para as mulheres que querem ter esta profissão.

"Eu pergunto porque diz 'homens' quando as mulheres também podem trabalhar nas linhas de alta tensão", escreveu Zoe numa carta dirigida à Agência de Transportes NZ, que a mãe divulgou no Twitter.

A menina de sete anos reparou nesta situação quando ia em viagem para a Ilha do Norte para visitar os avós. "Eu não quero trabalhar nas linhas de alta tensão... mas pode haver raparigas que queiram", garantiu Zoe.

A empresa aceitou a sugestão porque "as boas ideias podem vir de qualquer lado, incluindo de uma menina de sete anos".

A diretora executiva da Agência de Transportes, Fergus Gammie, anunciou que "pode demorar algum tempo", mas que o sinal vai ser substituído. Aproveitou ainda para convidar a menina de 7 anos para tirar uma foto ao lado do novo sinal assim que este estiver pronto.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.