Uma menina de 7 anos mudou um sinal "sexista" na Nova Zelândia

Zoe Carew escreveu uma carta para a Agência de Transportes a denunciar a situação. E esta aceitou a sugestão dela

Uma menina de sete anos neozelandesa convenceu a Agência de Transportes nacional a alterar a sinalética de manutenção nas linhas de tensão que refere "Linemen", literalmente "homens da Linha" para "Linecrew", ou seja, "equipa da Linha". Zoe Carew reparou que o sinal era "errado e injusto" para as mulheres que querem ter esta profissão.

"Eu pergunto porque diz 'homens' quando as mulheres também podem trabalhar nas linhas de alta tensão", escreveu Zoe numa carta dirigida à Agência de Transportes NZ, que a mãe divulgou no Twitter.

A menina de sete anos reparou nesta situação quando ia em viagem para a Ilha do Norte para visitar os avós. "Eu não quero trabalhar nas linhas de alta tensão... mas pode haver raparigas que queiram", garantiu Zoe.

A empresa aceitou a sugestão porque "as boas ideias podem vir de qualquer lado, incluindo de uma menina de sete anos".

A diretora executiva da Agência de Transportes, Fergus Gammie, anunciou que "pode demorar algum tempo", mas que o sinal vai ser substituído. Aproveitou ainda para convidar a menina de 7 anos para tirar uma foto ao lado do novo sinal assim que este estiver pronto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.