Um mês de portos fechados e 600 migrantes mortos no Mediterrâneo

As organizações SOS Méditerranée e Médicos Sem Fronteiras acusam os governos europeus de serem responsáveis pelas mortes de mais de 600 migrantes no espaço de um mês.

Mais de 600 migrantes, incluindo bebés e crianças, morreram afogados no Mediterrâneo ao longo dos últimas quatro semanas. As ONG SOS Méditerranée e Médicos Sem Fronteiras acusam os governos europeus de serem responsáveis por estas mortes.

O novo governo italiano, pela mão do ministro do Interior italiano, deu ordens para proibir a entrada dos navios das ONG há um mês.

O número de vítimas mortais no espaço de um mês representa metade do número total de mortes no Mediterrâneo desde o início do ano, pelo que culpam a atual política europeia de perseguição à ação de resgate por parte das ONG.

"Os governos europeus estão plenamente conscientes dos níveis alarmantes de violência e exploração experimentados por refugiados, requerentes de asilo e migrantes na Líbia, mas estão determinados a impedir que as pessoas cheguem à Europa a qualquer custo", as duas ONG acusam numa declaração conjunta.

"Estas tragédias ocorreram porque não havia mais barcos de resgate de ONG ativas no Mediterrâneo central", afirmam, para acusar a Europa pela "responsabilidade por essas mortes".

As duas entidades também se mostraram contra a estratégia aprovada no Conselho Europeu do fim de junho que advoga a criação de plataformas de desembarque de migrantes fora da UE.

Salvini veta desembarque de navio italiano

Os ministros do Interior dos 28 reuniram-se em Innsbruck, sul da Áustria, para discutir formas de impedir a chegada de migrantes às costas europeias. Foi a primeira reunião sob a liderança da presidência austríaca da União Europeia.

A reunião teve como objetivo debater o projeto vago das plataformas de desembarque em África.

Antes, o ministro austríaco do Interior, Herbert Kickl, do partido de extrema-direita FPÖ, teve um encontro com o homólogo italiano Matteo Salvini e com o alemão Horst Seehofer.

Salvini anunciou que não autorizou o Diciotti, navio italiano da guarda costeira, de proceder ao desembarque, no porto sicliliano de Trapani, de 67 migrantes recolhidos no Mediterrâneo pelo navio Vos Thalassa.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.