Um mês de portos fechados e 600 migrantes mortos no Mediterrâneo

As organizações SOS Méditerranée e Médicos Sem Fronteiras acusam os governos europeus de serem responsáveis pelas mortes de mais de 600 migrantes no espaço de um mês.

Mais de 600 migrantes, incluindo bebés e crianças, morreram afogados no Mediterrâneo ao longo dos últimas quatro semanas. As ONG SOS Méditerranée e Médicos Sem Fronteiras acusam os governos europeus de serem responsáveis por estas mortes.

O novo governo italiano, pela mão do ministro do Interior italiano, deu ordens para proibir a entrada dos navios das ONG há um mês.

O número de vítimas mortais no espaço de um mês representa metade do número total de mortes no Mediterrâneo desde o início do ano, pelo que culpam a atual política europeia de perseguição à ação de resgate por parte das ONG.

"Os governos europeus estão plenamente conscientes dos níveis alarmantes de violência e exploração experimentados por refugiados, requerentes de asilo e migrantes na Líbia, mas estão determinados a impedir que as pessoas cheguem à Europa a qualquer custo", as duas ONG acusam numa declaração conjunta.

"Estas tragédias ocorreram porque não havia mais barcos de resgate de ONG ativas no Mediterrâneo central", afirmam, para acusar a Europa pela "responsabilidade por essas mortes".

As duas entidades também se mostraram contra a estratégia aprovada no Conselho Europeu do fim de junho que advoga a criação de plataformas de desembarque de migrantes fora da UE.

Salvini veta desembarque de navio italiano

Os ministros do Interior dos 28 reuniram-se em Innsbruck, sul da Áustria, para discutir formas de impedir a chegada de migrantes às costas europeias. Foi a primeira reunião sob a liderança da presidência austríaca da União Europeia.

A reunião teve como objetivo debater o projeto vago das plataformas de desembarque em África.

Antes, o ministro austríaco do Interior, Herbert Kickl, do partido de extrema-direita FPÖ, teve um encontro com o homólogo italiano Matteo Salvini e com o alemão Horst Seehofer.

Salvini anunciou que não autorizou o Diciotti, navio italiano da guarda costeira, de proceder ao desembarque, no porto sicliliano de Trapani, de 67 migrantes recolhidos no Mediterrâneo pelo navio Vos Thalassa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)