Um dia sem assassinatos em El Salvador, o primeiro em dois anos

Quarta-feira foi um dia histórico para o país, um dos mais violentos do mundo

Durante 24 horas não se registou um único homicídio em El Salvador. O marco histórico registou-se na quarta-feira passada e, embora não seja possível apurar as razões da ausência de assassinatos, as autoridades fizeram questão de o assinalar, uma vez que foi a primeira vez que aconteceu nos últimos dois anos.

A última vez que El Salvador, um dos países mais violentos do mundo, teve um dia sem assassinatos aconteceu em 22 de janeiro de 2015, segundo os registos da Associated Press. Aconteceu também em 2013 e em dois dias do ano anterior.

Com uma população de cerca de seis milhões de pessoas, El Salvador teve uma média de 14,4 homicídios por dia em 2016.

Em 2015, El Salvador registou 104 homicídios por 100 mil habitantes, a taxa mais elevada do mundo daquele ano para um país sem situação de guerra. No ano passado, os assassínios baixaram cerca de 20%, mas ainda assim El Salvador manteve-se entre os países mais violentos com 81,2 mortes por 100 mil habitantes.

Em comparação, o Brasil regista 25 mortes por 100 mil habitantes; os Estados Unidos cinco, o Reino Unido uma e Portugal também um, segundo os últimos dados disponíveis do Gabinete das nações Unidas de Combate às Drogas e ao Crime (UNODC).

O ano de 2017 está com uma média de 10 assassinatos por dia em El Salvador, num total de 99. Em 2016, até à mesma data, haviam sido reportados 250 homicídios, o que, para as autoridades representa um sinal de claro de que se verificam progressos no combate ao crime.

A maioria dos crimes violentos em El Salvador está ligado aos chamados "maras", gangues que operam na América Central e que têm origem nos Estados Unidos. São formados pelos filhos de migrantes de El Salvador que fizeram parte dos gangues de Los Angeles nos anos de 1980 e que foram repatriados pelas autoridades norte-americanas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.