Última sondagem dá Bolsonaro bem lançado na corrida eleitoral no Brasil

O PT subiu cinco pontos percentuais depois da substituição de Lula da Silva por Fernando Haddad nas eleições Presidenciais

Jair Bolsonaro continua a liderar as intenções de voto para as eleições para a presidência do Brasil, de acordo com uma sondagem divulgada esta sexta-feira pela empresa Datafolha.

O candidato do PSL, que se encontra hospitalizado em São Paulo depois de ter sido vítima de um ataque, recolheu 26% das intenções de voto neste estudo, que inquiriu 2820 pessoas já depois de Lula da Silva ter desistido da corrida eleitoral na última segunda-feira.

O homem escolhido para ser o cabeça de lista do Partido Trabalhista (PT), Fernando Haddad, até então candidato a vice-presidente de Lula, recolhe 13% das intenções de voto, a par de Ciro Gomes (PDT).

Em comparação com o anterior estudo da Datafolha, publicado na segunda-feira, Jair Bolsonaro subiu dois pontos percentuais, mas quem mais subiu foi precisamente o PT que passou dos 9% para os 13%, o que pode ser associado com a desistência de Lula. Ciro Gomes mantém-se com a mesma percentagem da anterior sondagem.

Este estudo mediu também o nível de rejeição dos candidatos às Presidenciais do Brasil, sendo 44% dos inquiridos revela que nunca votariam em Jair Bolsonaro.

Curioso é que na simulação da segunda volta, Bolsonaro só está em vantagem num eventual duelo com Haddad, mas ainda assim a diferença é muito curta: 41% para o candidato do PSL, 40% para o cabeça de lista do PT.

Nesta sondagem, 55% dos inquiridos revelaram que estão absolutamente certos em relação em quem vão votar.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."