Última sondagem dá Bolsonaro bem lançado na corrida eleitoral no Brasil

O PT subiu cinco pontos percentuais depois da substituição de Lula da Silva por Fernando Haddad nas eleições Presidenciais

Jair Bolsonaro continua a liderar as intenções de voto para as eleições para a presidência do Brasil, de acordo com uma sondagem divulgada esta sexta-feira pela empresa Datafolha.

O candidato do PSL, que se encontra hospitalizado em São Paulo depois de ter sido vítima de um ataque, recolheu 26% das intenções de voto neste estudo, que inquiriu 2820 pessoas já depois de Lula da Silva ter desistido da corrida eleitoral na última segunda-feira.

O homem escolhido para ser o cabeça de lista do Partido Trabalhista (PT), Fernando Haddad, até então candidato a vice-presidente de Lula, recolhe 13% das intenções de voto, a par de Ciro Gomes (PDT).

Em comparação com o anterior estudo da Datafolha, publicado na segunda-feira, Jair Bolsonaro subiu dois pontos percentuais, mas quem mais subiu foi precisamente o PT que passou dos 9% para os 13%, o que pode ser associado com a desistência de Lula. Ciro Gomes mantém-se com a mesma percentagem da anterior sondagem.

Este estudo mediu também o nível de rejeição dos candidatos às Presidenciais do Brasil, sendo 44% dos inquiridos revela que nunca votariam em Jair Bolsonaro.

Curioso é que na simulação da segunda volta, Bolsonaro só está em vantagem num eventual duelo com Haddad, mas ainda assim a diferença é muito curta: 41% para o candidato do PSL, 40% para o cabeça de lista do PT.

Nesta sondagem, 55% dos inquiridos revelaram que estão absolutamente certos em relação em quem vão votar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".