UE "subscreve inteiramente" acordo final do G7 e elogia Trudeau

Margaritis Schinas afirmou que o organismo vai tomar todas as ações para atingir e promover os objetivos fixados no Canadá

A Comissão Europeia afirmou esta segunda-feira "subscrever inteiramente" o acordo final da cimeira do G7, e comprometeu-se a empreender "todas as ações" para atingir e promover os objetivos fixados no Canadá.

"A União Europeia subscreve inteiramente o comunicado final do G7, acordado em La Malbaie, e o presidente [Jean-Claude] Juncker quer agradecer publicamente ao primeiro-ministro [Justin] Trudeau e à sua equipa pela excelente preparação e condução desta desafiante cimeira", declarou o porta-voz da Comissão Europeia.

Em resposta às questões sobre a decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de se dissociar do comunicado final da cimeira grupo dos países mais industrializados do mundo (conhecido como G7), Margaritis Schinas sublinhou que a UE vai continuar a defender "um sistema multilateral baseado em regras internacionais".

"Deixem-me ser mais específico quanto ao acordo [do G7]. A UE suporta a declaração final e tomará todas as ações para atingir e promover os objetivos fixados. Depois de dois dias de intensas negociações, e de uma preparação ainda mais longa, o texto reflete os valores e as políticas que a UE apoia e que continuará, conjuntamente com os nossos parceiros, a defender", reiterou.

O porta-voz do executivo comunitário reforçou ainda os elogios ao primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, salientando a condução "muito competente" das sessões da cimeira, que decorreu na sexta-feira e no sábado em La Malbaie, no Canadá.

Poucas horas após abandonar o encontro do G7, Donald Trump dissociou-se do comunicado final da cimeira, chamando o primeiro-ministro do Canadá de "desonesto e fraco" por ter classificado como insultuosas as taxas alfandegárias norte-americanas.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.