UE rejeita proposta de Londres para fronteira irlandesa

Os três cenários apresentados pelo governo de Theresa May foram considerados impraticáveis pelos representantes da UE.

A União Europeia (UE) rejeitou as propostas do governo de Theresa May para evitar a reintrodução de uma fronteira física entre as duas Irlandas após a concretização do brexit. A rejeição resulta de Londres não ter introduzido alterações substanciais desde a anterior ronda de negociações, referia ontem The Independent , citando fontes europeias.

Londres teria apenas sugerido a criação de "uma parceria aduaneira" para evitar a necessidade da reintrodução dos controlos fronteiriços, o que foi liminarmente recusado por Bruxelas. De acordo com The Daily Telegraph, na reunião entre o principal negociador britânico, Olly Robbins, e os representantes da UE, que sucedeu quarta-feira em Bruxelas, estes últimos "procederam a uma detalhada refutação" das propostas britânicas, segundo fonte com conhecimento direto das discussões. Ainda segundo a mesma fonte do The Daily Telegraph, os negociadores europeus "tornaram absolutamente claro que nenhuma das opções britânicas irá funcionar. Nenhuma delas".

Londres apresentou três propostas para evitar a reintrodução da fronteira física entre a República da Irlanda e a Irlanda do Norte: "um acordo global de comércio e tarifas", o que tornaria dispensável o controlo fronteiriço; em alternativa, controlos tecnológicos, o que um antigo embaixador britânico junto da UE, Ivan Rogers, ouvido pelo The Guardian, classificou como "uma espécie de solução própria de uma ilha de fantasia e de unicórnios". Finalmente, a convergência de legislação, vista como não operacional.

Perante este quadro, o principal negociador do brexit pela UE, Michel Barnier, explicava ontem estar-se perante a hipótese da saída britânica do bloco europeu suceder de forma "desordenada". Barnier, em declarações ao The Daily Telegraph, referiu estarem ainda por se chegar a acordo sobre 25% das matérias em discussão. Numa entrevista à televisão pública francesa, Barnier destacou a questão da fronteira irlandesa como importante escolho que pode comprometer o desfecho do processo negocial.

Antes, a primeira-ministra Theresa May afirmara estar "confiante de que nos próximos meses, se todas as partes trabalharem em conjunto e de forma produtiva, podemos chegar a uma solução para a Irlanda-Irlanda do Norte que funcione para todos os envolvidos". Um seu porta-voz, interrogado sobre a notícia divulgada pelo The Daily Telegraph, declarou à Reuters "não dar credibilidade a essas descrições".

Num texto publicado no The Guardian era chamada a atenção para o facto da questão da fronteira irlandesa será levada a voto na Câmara dos Comuns em maio, onde a primeira-ministra May tem de convencer o seu próprio grupo parlamentar que consegue chegar a um acordo com a UE até à cimeira de Junho. O texto recordava que, nesta quarta-feira, o governo sofreu uma derrota na Câmara dos Lordes quando a maioria votou pela criação de uma união aduaneira como única alternativa operacional ao regresso de uma fronteira física e solução que não comprometa o processo de paz na Irlanda do Norte. No Acordo de Sexta-Feira Santa (1998), que pôs fim ao conflito entre unionistas e nacionalistas, está estabelecido que não pode haver fronteira física entre as duas Irlandas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.