UE rejeita proposta de Londres para fronteira irlandesa

Os três cenários apresentados pelo governo de Theresa May foram considerados impraticáveis pelos representantes da UE.

A União Europeia (UE) rejeitou as propostas do governo de Theresa May para evitar a reintrodução de uma fronteira física entre as duas Irlandas após a concretização do brexit. A rejeição resulta de Londres não ter introduzido alterações substanciais desde a anterior ronda de negociações, referia ontem The Independent , citando fontes europeias.

Londres teria apenas sugerido a criação de "uma parceria aduaneira" para evitar a necessidade da reintrodução dos controlos fronteiriços, o que foi liminarmente recusado por Bruxelas. De acordo com The Daily Telegraph, na reunião entre o principal negociador britânico, Olly Robbins, e os representantes da UE, que sucedeu quarta-feira em Bruxelas, estes últimos "procederam a uma detalhada refutação" das propostas britânicas, segundo fonte com conhecimento direto das discussões. Ainda segundo a mesma fonte do The Daily Telegraph, os negociadores europeus "tornaram absolutamente claro que nenhuma das opções britânicas irá funcionar. Nenhuma delas".

Londres apresentou três propostas para evitar a reintrodução da fronteira física entre a República da Irlanda e a Irlanda do Norte: "um acordo global de comércio e tarifas", o que tornaria dispensável o controlo fronteiriço; em alternativa, controlos tecnológicos, o que um antigo embaixador britânico junto da UE, Ivan Rogers, ouvido pelo The Guardian, classificou como "uma espécie de solução própria de uma ilha de fantasia e de unicórnios". Finalmente, a convergência de legislação, vista como não operacional.

Perante este quadro, o principal negociador do brexit pela UE, Michel Barnier, explicava ontem estar-se perante a hipótese da saída britânica do bloco europeu suceder de forma "desordenada". Barnier, em declarações ao The Daily Telegraph, referiu estarem ainda por se chegar a acordo sobre 25% das matérias em discussão. Numa entrevista à televisão pública francesa, Barnier destacou a questão da fronteira irlandesa como importante escolho que pode comprometer o desfecho do processo negocial.

Antes, a primeira-ministra Theresa May afirmara estar "confiante de que nos próximos meses, se todas as partes trabalharem em conjunto e de forma produtiva, podemos chegar a uma solução para a Irlanda-Irlanda do Norte que funcione para todos os envolvidos". Um seu porta-voz, interrogado sobre a notícia divulgada pelo The Daily Telegraph, declarou à Reuters "não dar credibilidade a essas descrições".

Num texto publicado no The Guardian era chamada a atenção para o facto da questão da fronteira irlandesa será levada a voto na Câmara dos Comuns em maio, onde a primeira-ministra May tem de convencer o seu próprio grupo parlamentar que consegue chegar a um acordo com a UE até à cimeira de Junho. O texto recordava que, nesta quarta-feira, o governo sofreu uma derrota na Câmara dos Lordes quando a maioria votou pela criação de uma união aduaneira como única alternativa operacional ao regresso de uma fronteira física e solução que não comprometa o processo de paz na Irlanda do Norte. No Acordo de Sexta-Feira Santa (1998), que pôs fim ao conflito entre unionistas e nacionalistas, está estabelecido que não pode haver fronteira física entre as duas Irlandas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.