UE rejeita proposta de Londres para fronteira irlandesa

Os três cenários apresentados pelo governo de Theresa May foram considerados impraticáveis pelos representantes da UE.

A União Europeia (UE) rejeitou as propostas do governo de Theresa May para evitar a reintrodução de uma fronteira física entre as duas Irlandas após a concretização do brexit. A rejeição resulta de Londres não ter introduzido alterações substanciais desde a anterior ronda de negociações, referia ontem The Independent , citando fontes europeias.

Londres teria apenas sugerido a criação de "uma parceria aduaneira" para evitar a necessidade da reintrodução dos controlos fronteiriços, o que foi liminarmente recusado por Bruxelas. De acordo com The Daily Telegraph, na reunião entre o principal negociador britânico, Olly Robbins, e os representantes da UE, que sucedeu quarta-feira em Bruxelas, estes últimos "procederam a uma detalhada refutação" das propostas britânicas, segundo fonte com conhecimento direto das discussões. Ainda segundo a mesma fonte do The Daily Telegraph, os negociadores europeus "tornaram absolutamente claro que nenhuma das opções britânicas irá funcionar. Nenhuma delas".

Londres apresentou três propostas para evitar a reintrodução da fronteira física entre a República da Irlanda e a Irlanda do Norte: "um acordo global de comércio e tarifas", o que tornaria dispensável o controlo fronteiriço; em alternativa, controlos tecnológicos, o que um antigo embaixador britânico junto da UE, Ivan Rogers, ouvido pelo The Guardian, classificou como "uma espécie de solução própria de uma ilha de fantasia e de unicórnios". Finalmente, a convergência de legislação, vista como não operacional.

Perante este quadro, o principal negociador do brexit pela UE, Michel Barnier, explicava ontem estar-se perante a hipótese da saída britânica do bloco europeu suceder de forma "desordenada". Barnier, em declarações ao The Daily Telegraph, referiu estarem ainda por se chegar a acordo sobre 25% das matérias em discussão. Numa entrevista à televisão pública francesa, Barnier destacou a questão da fronteira irlandesa como importante escolho que pode comprometer o desfecho do processo negocial.

Antes, a primeira-ministra Theresa May afirmara estar "confiante de que nos próximos meses, se todas as partes trabalharem em conjunto e de forma produtiva, podemos chegar a uma solução para a Irlanda-Irlanda do Norte que funcione para todos os envolvidos". Um seu porta-voz, interrogado sobre a notícia divulgada pelo The Daily Telegraph, declarou à Reuters "não dar credibilidade a essas descrições".

Num texto publicado no The Guardian era chamada a atenção para o facto da questão da fronteira irlandesa será levada a voto na Câmara dos Comuns em maio, onde a primeira-ministra May tem de convencer o seu próprio grupo parlamentar que consegue chegar a um acordo com a UE até à cimeira de Junho. O texto recordava que, nesta quarta-feira, o governo sofreu uma derrota na Câmara dos Lordes quando a maioria votou pela criação de uma união aduaneira como única alternativa operacional ao regresso de uma fronteira física e solução que não comprometa o processo de paz na Irlanda do Norte. No Acordo de Sexta-Feira Santa (1998), que pôs fim ao conflito entre unionistas e nacionalistas, está estabelecido que não pode haver fronteira física entre as duas Irlandas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.