UE defende mais gastos militares e prolonga sanções à Rússia

Os líderes europeus declararam que a UE deve fortalecer as suas defesas, gastar mais e ter capacidade de agir independentemente dos Estados Unidos, em conformidade com o novo pacto de cooperação militar. Do Conselho Europeu saiu ainda a indicação de que as sanções à Rússia vão ser prolongadas

"A Europa deve assumir maior responsabilidade pela sua própria segurança e sustentar o seu papel de ator e parceiro confiável na área de segurança e defesa", lê-se na declaração do Conselho.

O documento também reforçou o compromisso com um pacto de defesa da UE assinado em dezembro, que visa desenvolver armas e mobilizar tropas juntas após anos de duplicação e estruturas militares concorrentes.
"A União Europeia está, portanto, a tomar medidas para reforçar a defesa europeia, ao aumentar o investimento na defesa, o desenvolvimento de capacidades e a prontidão operacional. Essas iniciativas aumentam a autonomia estratégica, e em simultâneo complementam e reforçam as atividades da NATO."

A declaração dos 28 surge depois da reunião com o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, e inclui um compromisso de gastar mais com a defesa depois de anos de cortes. Esta tem sido uma exigência pelo presidente dos EUA, Donald Trump.
Nos dias 11 e 12 de julho realiza-se a cimeira da NATO em Bruxelas.

A UE insiste que a aliança da NATO continua a ser responsável pela defesa da Europa.

A saída do Reino Unido da União Europeia altera o cenário da política de defesa comum. Durante anos, Londres bloqueou a cooperação de defesa. A França procura manter o Reino Unido próximo das estruturas militares da UE através de uma força de resposta liderada pelos franceses.

À Reuters, diplomatas presentes no Conselho descreveram o debate sobre segurança e defesa como consensual, apesar das tensões sobre a migração.

A modernização militar da Rússia e os exercícios em grande escala no Báltico levaram os responsáveis da NATO a soar os alarmes para que não se repitam acontecimentos como a anexação russa da Crimeia.

E devido ao conflito com a Ucrânia, os líderes da União Europeia concordaram em prolongar as sanções económicas contra a Rússia. A decisão vai prolongar as restrições da UE em fazer negócios com os setores bancário, financeiro e de energia da Rússia por seis meses até ao final de janeiro. As sanções vão ser formalmente confirmadas nos próximos dias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.