UE corre cada vez mais perigo de ser atingida pela "perversão da comunicação"

"A comunicação pode reforçar ou destruir a União Europeia?" Este é o tema em debate amanhã, Dia da Europa, na terceira Conferência do Ciclo "Os desafios da União Europeia", no Grande Auditório da Culturgest, em Lisboa.

A informação é o que "permite a vida em comunidade e assegura a democracia e o debate de ideias", mas cada vez mais é notório que pode ser "utilizada de formas extremamente perversas". Essa "perversão da comunicação" representa um perigo real para a União Europeia (UE), especialmente porque esta está a avançar para formas mais centralizadas de decisão, disse o presidente do Instituto Europeu, Eduardo Paz Fernandes.

"A comunicação pode reforçar ou destruir a UE?" é o tema da terceira conferência do ciclo "Os desafios da União Europeia", que decorre esta quarta-feira, 9 de maio, Dia da Europa, no Grande Auditório da Culturgest, em Lisboa. O principal orador será Cees Hamelink, professor emérito de Comunicação e Política da Universidade de Amesterdão.

O objetivo "é ver quais são os caminhos para conservar aquilo que melhor há na informação e nas novas tecnologias e tentar defender contra o resto", afirmou ao DN o presidente do Instituto Europeu, que organiza a conferência.

"A informação é sempre extremamente positiva. É a existência de informação nas sociedades que permite a vida em comunidade e assegura a democracia e o debate de ideias", referiu Eduardo Paz Fernandes, lembrando que "nas sociedades que abafam a informação a vida é, obviamente, muito pior".

Contudo, explicou o presidente do Instituto Europeu, "chegamos a uma fase em que percebemos que a a informação pode ser utilizada de formas extremamente perversas". E menciona as "fake news" (notícias falsas) ou a problemática que se tornou especialmente visível a partir das eleições norte-americanas "da possibilidade de utilizar as novas tecnologias de informação para introduzir alterações naquilo que seria a expressão normal da vontade das pessoas".

Mas o problema não é exclusivo dos EUA e a UE também corre risco. "Temos uma potência profundamente iliberal que tenta intervir ativamente sobre a União Europeia no sentido da desestabilização e que, não há provas, mas há suspeitas, que tenha estado associada a tentativas de manipulação na França, na Itália, e no brexit, que foi talvez o primeiro balão de ensaio", afirmou Paz Fernandes, referindo-se à Rússia.

"Portanto, se a União Europeia for avançar para formas mais centralizadas e decisão, maior é o perigo de ser atingida por essa perversão da comunicação", acrescentou.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.