UE condena ponte russa como "nova violação da soberania" da Ucrânia

Porta-voz afirmou que a infraestrutura foi construída "sem o consentimento da Ucrânia"

A União Europeia (UE) classificou como "uma nova violação da soberania" da Ucrânia a ponte que liga a Crimeia à Rússia, inaugurada hoje pelo presidente Vladimir Putin na península ucraniana anexada há quatro anos.

A Rússia construiu aquela infraestrutura "sem o consentimento da Ucrânia", frisou uma porta-voz do serviço de ação externa da UE.

"Isso constitui uma nova violação da soberania e da integridade territorial da Ucrânia pela Rússia", afirmou.

O presidente russo, Vladimir Putin, inaugurou hoje a ponte, uma obra colossal de 19 quilómetros que visa facilitar o acesso russo à Crimeia, cuja anexação pela Rússia em 2014 não é reconhecida pela comunidade internacional.

"A construção de uma ponte visa prosseguir a integração forçada da península anexada ilegalmente na Rússia e o seu isolamento da Ucrânia, de que continua a fazer parte", disse a porta-voz europeia.

A ponte, sublinhou, limita "a passagem dos navios pelo estreito de Kertch até aos portos ucranianos no Mar de Azov".

A UE "continua a condenar a anexação ilegal da Crimeia e de Sebastopol pela Rússia e não vai reconhecer esta violação do direito internacional", afirmou.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.