Turquia rejeita pedido dos EUA para terminar com importação de petróleo do Irão

"Apenas consideramos o nosso interesse", justificou o ministro da Economia turco

O ministro da Economia turco, Nihat Zeybekçi, declarou esta quarta-feira que a Turquia vai continuar a importar petróleo do Irão, após os Estados Unidos terem pedido aos aliados para interromperem totalmente a sua compra até 4 de novembro, sob pena de sanções.

"As decisões tomadas pelo ministério do Comércio externo norte-americano não são vinculativas para nós. Além dos interesses da Turquia, não consideramos qualquer outro interesse", disse Zeybekçi em conferência de imprensa em Ancara.

Também tentamos prestar atenção a que um país amigo e irmão, como é o Irão, não sofra injustiças nestes assuntos, nem fique prejudicado

"Se houvesse decisões ou medidas das Nações Unidas a esse respeito, seria vinculativo para nós. Mas para além disso, apenas consideramos o nosso interesse", disse o ministro, citado pela agência noticiosa turca Anadolu.

"Também tentamos prestar atenção a que um país amigo e irmão, como é o Irão, não sofra injustiças nestes assuntos, nem fique prejudicado", acrescentou Zeybekçi.

Os EUA pediram a todos os países para interromperem totalmente até 4 de novembro as suas importações de petróleo iraniano caso pretendam evitar sanções norte-americanas

Desde 2017 que metade do crude importado pela Turquia provém do Irão, enquanto a outra metade é assegurada pelo Kuwait, Arábia Saudita, Iraque e Rússia.

Na terça-feira, os Estados Unidos pediram a todos os países para interromperem totalmente até 4 de novembro as suas importações de petróleo iraniano caso pretendam evitar sanções norte-americanas, restabelecidas após a retirada de Washington do acordo nuclear com Teerão.

"É uma das nossas principais prioridades de segurança nacional. Não irei ao ponto de dizer zero exceções de forma definitiva, mas a posição é que não vamos permitir exceções", preveniu um responsável do Departamento de Estado em declarações aos 'media'.

Em 8 de maio o Presidente Donald Trump anunciou a sua retirada do acordo internacional de 2015 destinado a impedir o Irão de obter a bomba atómica, e que considera demasiado permissivo.

Na ocasião, restabeleceu todas as sanções norte-americanas suspensas no âmbito deste acordo, incluindo as sanções secundárias contra as empresas estrangeiras que continuam a negociar com Teerão.

Estas empresas deverão optar entre os seus investimentos no Irão e o acesso ao mercado norte-americano. Washington forneceu um prazo de 90 a 180 dias para se retirarem do mercado iraniano.

Desde maio que os países europeus tentam, sem grande sucesso, negociar exceções que isentem certos setores ou contratos, mas este responsável norte-americano confirmou esta quarta-feira a "linha dura" até ao momento imposta pela administração da Casa Branca.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.