Turquia quer "amnistiar" condenados de abusos sexuais de menores que casem com as vítimas

ONU condena controverso projeto de lei turco sobre agressão sexual a menores

A ONU manifestou hoje a sua "profunda preocupação" sobre um projeto de lei entregue no parlamento turco que permite, em certos casos, anular uma condenação por agressão sexual a menor se o agressor casar com a vítima.

"Essas formas abjetas de violência contra crianças são crimes que devem ser punidos como tal e o superior interesse da criança deve prevalecer em qualquer caso", disse à France Presse Christophe Boulierac, porta-voz da UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância.

"A UNICEF está profundamente preocupada com o projeto de lei (...) que introduz uma espécie de amnistia para os culpados de abusos sobre crianças", acrescentou.

O parlamento turco já se pronunciou na quinta-feira à noite sobre o texto, mas este será alvo de uma segunda votação nos próximos dias e pode abranger 3 mil pessoas se for adotado.

A medida pode suspender a condenação de uma pessoa por agressão sexual a um menor, cometida antes de 11 de novembro de 2016, se o autor dessa agressão casar com a vítima. A medida será aplicada só uma vez e de forma retroativa, indicou na sexta-feira o primeiro-ministro, Binali Yildirim.

"Apelamos a todos os membros da Assembleia para fazem o possível para proteger as crianças na Turquia destes crimes odiosos", pediu o porta-voz da UNICEF.

Face à controvérsia causada pelo texto, da autoria do Partido da Justiça e do Desenvolvimento (AKP), no poder, o primeiro-ministro pediu negociações com a oposição sobre o projeto.

Em defesa do texto, o ministro da Justiça, Bekir Bozdag, afirmou que "os casamentos precoces são infelizmente uma realidade" e que a medida visa "proteger as crianças", só se aplicando nos casos em que a "agressão sexual" tenha sido cometida "sem uso da força, ameaça ou qualquer forma de coação".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.