Turquia pressiona referendo curdo com manobras militares na fronteira iraquiana

As Forças Armadas turcas anunciaram hoje o início de exercícios militares na fronteira iraquiana, uma semana antes da realização de um referendo sobre a independência no Curdistão iraquiano.

O Exército turco indicou através de um comunicado que "paralelamente às manobras, as operações antiterroristas continuam na zona de fronteira".

No sudeste da Turquia registam-se combates diários entre as forças turcas e os separatistas curdos do PKK desde o final do cessar-fogo, no verão de 2015.

Testemunhas disseram à France Presse que viram hoje, pelo menos, uma centena de veículos militares e alguns tanques a tomarem posições na fronteira entre a Turquia e o Iraque.

O governo de Ancara tem demonstrado oposição à realização do referendo marcado para a próxima segunda-feira, dia 25 de setembro, no Curdistão iraquiano.

O presidente turco, Recepe Tayyip Erdogan, disse no fim de semana que a consulta é "uma má decisão" e convocou uma reunião do Conselho de Segurança Turco para sexta-feira, para analisar a situação.

Erdogan acrescentou que se vai reunir, à margem da Assembleia Geral da ONU, em Nova Iorque, com o primeiro-ministro do Iraque, Haider al-Abadi, que também se opõe ao referendo, para abordar a questão.

A ONU propõe, em alternativa ao referendo sobre a independência, um acordo, dentro de três anos, entre o Curdistão iraquiano e o governo federal do Iraque sobre o estatuto da região autónoma.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.