Turquia diz que não vai "tolerar" ameaças de Trump sobre detenção de pastor protestante

"Ninguém pode dar ordens à Turquia", afirmou o chefe da diplomacia turca, Mevlüt Cavusoglu

A Turquia afirmou esta quinta-feira que não vai "tolerar" qualquer "ameaça" após o Presidente dos EUA Donald Trump ter declarado que imporá sanções dirigidas a Ancara caso não seja libertado um pastor norte-americano julgado pelas autoridades turcas.

"Ninguém pode dar ordens à Turquia. Nunca toleraremos ameaças, venham de onde vierem", declarou na rede social Twitter o chefe da diplomacia turca, Mevlüt Cavusoglu.

"O Estado de direito é válido para todo o mundo; nenhuma exceção", acrescentou.

Trump reiterou esta quinta-feira que o seu Governo imporá sanções à Turquia caso não seja libertado o pastor protestante norte-americano Andrew Brunson, acusado por Ancara de "terrorismo" e em prisão domiciliária após ter saído quarta-feira da prisão.

"Os Estados Unidos vão impor grandes sanções à Turquia devido ao prolongado período de detenção do pastor Andrew Brunson, um grande cristão, homem de família e um ser humano maravilhoso. Ele está a sofrer demasiado. Este inocente homem de fé deveria ser imediatamente libertado!", afirmou Trump na rede social Twitter.

O pastor evangélico é acusado pelas autoridades turcas de ter atuado em conivência com a rede do predicador Fethullah Gülen, que Ancara responsabiliza pelo fracassado golpe militar de julho de 2016, e ainda pelo ilegalizado Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).

As duas organizações são consideradas como terroristas por Ancara.

Instalado na Turquia desde há 20 anos, o pastor é também acusado de espionagem com objetivos políticos e militares. Foi detido com a sua mulher Norine em 07 de outubro de 2016, por ordem da procuradoria turca.

Brunson, que arrisca uma pena de 35 anos de prisão neste processo iniciado em 16 de abril, tem desmentido todas as acusações.

Este caso tem contribuído para agravar as relações entre os Estados Unidos e a Turquia na sequência de diversos diferendos, em particular o apoio norte-americano a uma milícia curda síria e a recusa de Washington em extraditar Gülen, que se autoexilou nos EUA em 1999.

Em setembro, Erdogan sugeriu a troca de Brunson pelo predicador Gülen, uma hipótese rejeitada por Washington.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.