Turquia despede mais 10.000 polícias, juízes, procuradores e professores

Governo turco oficializou hoje 40.000 despedimentos como sendo definitivos

A Turquia despediu mais 10.000 polícias, juízes, procuradores e professores universitários num decreto publicado esta sexta-feira que reforça a purga na administração pública após a tentativa de golpe de Estado de 15 de julho.

O decreto determina o afastamento de 7.669 polícias e 323 agentes da polícia militarizada, todos suspeitos de participar ou apoiar os golpistas.

Por outro lado, afasta 543 procuradores e juízes, fazendo ascender o total de despedimentos no aparelho judicial para 3.390, segundo o canal NTV.

O ensino superior é também novamente visado, com 2.346 académicos afastados, a juntar a outras 28.000 pessoas, milhares delas professores, despedidas na área da educação.

No exército, são afastados cerca de 800 militares, a maioria dos quais está sob custódia das autoridades, totalizando 4.451 membros das forças armadas afastados após o golpe, entre os quais cerca de metade dos generais no ativo.

O governo turco oficializou também hoje 40.000 dos cerca de 80.000 despedimentos anunciados desde julho, que são tornados inapeláveis, e como tal, definitivos.

Entre outros, ficam definitivamente afastados da administração pública 28.100 funcionários da educação, 7.600 da segurança, 2.000 da saúde e 1.500 dos assuntos religiosos.

A Turquia acusa o pregador Fethullah Gulen e o movimento por ele fundado, o Hizmet, de ordenar e realizar o golpe falhado, que terminou com 270 mortos, 34 deles golpistas.

Gulen, exilado nos Estados Unidos desde 1999, nega qualquer implicação no golpe.

O ministro da Justiça anunciou hoje que quase 34.000 presos, condenados por "crimes menores", foram libertados, o que ocorre pela segunda vez e parece justificar-se pela necessidade de criar espaço nas prisões para todos os detidos acusados de participação no golpe ou ligações aos golpistas.

Bekir Bozdag precisou que a libertação não corresponde a uma amnistia e que não abrange nenhum preso condenado por homicídio, terrorismo ou crimes contra a segurança do Estado.

Segundo a agência estatal Anadolu, a capacidade total das prisões turcas é de 187.351 pessoas.

Desde julho, a população prisional na Turquia aumentou mais de 200.000.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.