Turista tinha bomba da II Guerra Mundial na bagagem. Era uma recordação

Uma turista norte-americana tentou levar como "souvenir" de Áustria uma bomba da II Guerra Mundial. Resultado, as autoridades tiveram de encerrar temporariamente a zona de bagagens e chegadas do aeroporto internacional de Viena

Uma bomba da II Guerra Mundial por detonar numa mala de viagem não é algo que se veja todos os dias. Mas foi com essa bagagem "explosiva" que a polícia austríaca teve de se confrontar na segunda-feira.

O caso levou as autoridades a encerrar temporariamente a zona das bagagens e de chegadas do aeroporto internacional de Viena.

A turista norte-americana, de 24 anos, encontrou o dispositivo nas proximidades das montanhas Dachstein, na Áustria, e decidiu levá-lo como "recordação" para os EUA.

No aeroporto, a mulher declarou o objeto às autoridades alfandegárias e, de acordo com a agência France Press, foi acusada de ameaça pública por negligência. Foi chamada uma brigada antibomba para retirar o explosivo em segurança. O caso não provocou atrasos no aeroporto de Viena e nem colocou em perigo os passageiros, garantiu a polícia austríaca.

Ainda no quarto de hotel, a norte-americana terá mesmo lavado a bomba antes de a colocar na mala para que não sujasse a roupa, refere o jornal austríaco Krone​​​​​​.

A turista norte-americana acabou por ser multada em cerca de quatro mil euros por ter levado esta recordação explosiva numa mala de viagem para um aeroporto internacional, revela a estação de rádio alemã Deutsche Welle.

A descoberta desta bomba não é caso único. Mais de 70 anos depois do fim da II Guerra Mundial, continuam a ser encontrados dispositivos por explodir, o que tem levado as autoridades a ordenar a evacuação por precaução nas zonas onde as bombas são encontradas.

Foi o que aconteceu em Berlim quando, em abril, foi descoberta uma bomba da II Guerra Mundial na estação central Hauptbahnhof. A zona foi evacuada para se proceder à retirada do objeto em segurança.

Um mês antes tinha acontecido o mesmo na cidade italiana de Fano, na região de Las Marcas. As autoridades procederam à retirada de 23 mil habitantes, depois de ter sido encontrado um dispositivo por detonar numa praia.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.