Túmulos de fundador do PSOE e de líder comunista vandalizados em Madrid

Foram ainda encontradas duas bandeiras republicadas pintadas de preto na parede das "Treces Rosas" do cemitério de La Almudena.

Os túmulos da líder comunista Dolores Ibárruri e do fundador do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) Pablo Iglesias Posse foram pintados com tinta branca no cemitério de La Almudena, em Madrid, esta segunda-feira. Também o monumento aos "Caídos" da Divisão Azul (II Guerra Mundial) e a parede das "Trece Rosas" sofreram danos, segundo o jornal espanhol El País.

As pinturas na lápide de Dolores Ibárruri foram encontradas pela neta da mesma, que vai apresentar queixa pelo ato de vandalismo. "É a primeira vez que algo deste género acontece", disse ao El País. "Estou sentida e não entendo por que fizeram isto", acrescenta.

Além dos estragos causados nas sepulturas, na parte católica do cemitério, foram colocadas duas bandeiras republicanas pintadas de preto na parede das "Treces Rosas", uma homenagem às 13 mulheres, entre os 18 e os 29 anos, que foram mortas a tiro na manhã de 5 de agosto de 1939 junto aquele muro.

No monumento dos Caídos da Divisão Azul, dedicado aos voluntários espanhóis que combateram na segunda Guerra Mundial (1939-1945) foram escritas as palavras "Por Espanha" e desenhado um A maiúsculo rodeado por um círculo, o símbolo dos anarquistas.

O cemitério de La Almudena, inaugurado em 1884, é um dos maiores da Europa com mais de 120 hectares. Ali estão sepultadas figuras como Largo Caballero, Presidente do Governo durante a II República, e Julián Besteiro, presidente do PSOE na mesma altura.

As autoridades espanholas vão abrir uma investigação para descobrir os responsáveis pelos danos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.