Tufão no Japão causa pelo menos 11 mortos e centenas de feridos

A região de Osaka foi uma das mais afetadas pelo tufão Jebi, o mais violento no Japão em 25 anos. Em algumas zonas, as rajadas de vento atingiram 220 quilómetros/hora

Pelo menos 11 pessoas morreram e centenas ficaram feridas no Japão, na sequência do tufão Jebi, considerado o mais violento a atingir diretamente o arquipélago em 25 anos, informou a televisão pública NHK.

"Este tufão causou sérios danos, especialmente na região de Osaka", disse esta quarta-feira o primeiro-ministro nipónico, Shinzo Abe, que prometeu "o máximo de esforços para resolver a situação e reabilitar as infraestruturas".

A passagem do ciclone trouxe chuvas torrenciais e ventos fortes, com rajadas que atingiram nalguns locais os 220 quilómetros/hora.

O Jebi, o vigésimo primeiro tufão desta temporada no Pacífico, foi catalogado como "muito forte" pela Agência Meteorológica do Japão, o primeiro com esta intensidade a chegar ao arquipélago desde 1993.

O Japão foi atingido por vários tufões e chuvas torrenciais este verão.

Uma grande parte do oeste do Japão foi atingida no início de julho por fortes inundações e deslizamentos de terra que resultaram na morte de mais de 200 pessoas e milhares de desalojados, naquele que foi considerado o mais grave desastre meteorológico no país desde 1982.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.