Tufão mata seis pessoas e deixa 18 desaparecidas nas Filipinas

O incidente mais grave envolveu o barco MV Starlight Atlantic, que naufragou, matando uma pessoa e deixando 18 membros da tripulação desaparecidos

Pelo menos seis pessoas morreram e 18 estão desaparecidas devido à passagem do tufão Nock-Ten pelas Filipinas durante a época natalícia, informou hoje o Governo.

A tempestade atingiu primeiro as províncias orientais no dia de Natal, inundando ruas e campos, destruindo casas e danificando navios, ao cruzar o arquipélago.

O incidente mais grave envolveu o barco MV Starlight Atlantic, que naufragou ao largo da província de Batangas, matando uma pessoa e deixando 18 membros da tripulação desaparecidos, segundo a guarda costeira. Cinco outras pessoas morreram em cheias ou devido à queda de objetos.

O Nock-Ten deixou várias províncias sem eletricidade, não havendo ainda uma data para quando a energia será reposta.

Mais de 429 mil pessoas foram preventivamente deslocadas das suas casas em zonas vulneráveis e mais de 330 voos foram cancelados devido ao tufão, que causou também danos em casas e infraestruturas.

"Vimos muitas casas destruídas pelos ventos fortes. Infraestruturas como escolas e hospitais também. Ainda estamos à espera de saber o número exato de casas que foram destruídas e qual é exatamente o custo dos danos", disse Mina Marasigan, porta-voz da agência de gestão de desastres das Filipinas.

Espera-se que o Nock-Ten traga fortes chuvas e ventos à capital, Manila, onde moram 13 milhões de pessoas, apesar de o tufão ter perdido força entretanto.

Entre 15 e 20 tufões atingem todos os anos as Filipinas na época das chuvas, que começa em junho e termina em novembro.

O tufão mais poderoso e mortal que atingiu as Filipinas foi o Haiyan, que deixou 7.350 pessoas mortas ou desaparecidas e destruiu cidades inteiras em áreas densamente povoadas do centro das Filipinas, em novembro de 2013.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.