Tufão Mangkhut atinge Filipinas e ameaça Macau

Os serviços de meteorologia filipinos preveem ventos superiores a 200 quilómetros/hora e elevou o alerta nas regiões onde o super-tufão será mais violento

O tufão Mangkhut, o mais forte da temporada, tocou esta sexta-feira o norte das Filipinas, afetado por ventos de até 205 quilómetros por hora e chuvas fortes, anunciaram os serviços de meteorologia do país.

O super-tufão, que deverá chegar a Macau nas próximas horas, atingiu a costa filipina às 1.40 horas (18.40 em Lisboa), segundo o serviço de meteorologia PAGASA. Pouco antes da chegada do Mangkhut, de categoria 5, a máxima da escala, o Centro Nacional de Gestão de Desastres (NDRRMC) elevou o nível de alerta em todas as regiões do norte do país, onde o embate do tufão será mais violento.

Mais de nove mil pessoas foram retiradas das suas casas, próximas da costa, e foram criados mais de 2100 refúgios na metade norte da ilha de Luzón. O porta-voz do NDRRMC, Edgar Posadas, anunciou em conferência de imprensa que o Mangkhut, o maior tufão que atingiu as Filipinas, afetará cerca de 5,2 milhões de filipinos que vivem num raio de 125 quilómetros da sua trajetória.

As autoridades filipinas advertiram de que o impacto do Mangkhut pode ser tão destruidor como o do Haiyan, um super-tufão que fez mais de sete mil de mortos e 16 milhões de vítimas de danos materiais em novembro de 2013.

O Governo filipino assegurou estar preparado e mobilizou 30 milhões de dólares (cerca de 27 milhões de euros) para a resposta de emergência. O Presidente filipino, Rodrigo Duterte, reuniu-se com o centro de comando do NDRRMC para rever a resposta conjunta de todas as agências governamentais e enviou membros do seu gabinete às províncias em alerta para coordenarem em primeira mão as operações de emergência.

A Cruz Vermelha Filipinas também enviou equipas de resposta rápida para a zona, onde conta com mais de 30 000 voluntários para fazer rapidamente um balanço de danos após a passagem do tufão e poder o quanto antes emitir um apelo de ajuda financeira à comunidade internacional.

A organização humanitária estima o possível número de afetados pelo tufão em dez milhões, se se tiver em conta a quantidade de pessoas que vivem da agricultura em Luzón e que sofrerão graves prejuízos nas suas colheitas.

As Filipinas são anualmente atingidas por entre 15 e 20 tufões durante a temporada das chuvas, que este ano começou a 08 de junho e costuma terminar entre novembro e dezembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.