Tufão Mangkhut atinge Filipinas e ameaça Macau

Os serviços de meteorologia filipinos preveem ventos superiores a 200 quilómetros/hora e elevou o alerta nas regiões onde o super-tufão será mais violento

O tufão Mangkhut, o mais forte da temporada, tocou esta sexta-feira o norte das Filipinas, afetado por ventos de até 205 quilómetros por hora e chuvas fortes, anunciaram os serviços de meteorologia do país.

O super-tufão, que deverá chegar a Macau nas próximas horas, atingiu a costa filipina às 1.40 horas (18.40 em Lisboa), segundo o serviço de meteorologia PAGASA. Pouco antes da chegada do Mangkhut, de categoria 5, a máxima da escala, o Centro Nacional de Gestão de Desastres (NDRRMC) elevou o nível de alerta em todas as regiões do norte do país, onde o embate do tufão será mais violento.

Mais de nove mil pessoas foram retiradas das suas casas, próximas da costa, e foram criados mais de 2100 refúgios na metade norte da ilha de Luzón. O porta-voz do NDRRMC, Edgar Posadas, anunciou em conferência de imprensa que o Mangkhut, o maior tufão que atingiu as Filipinas, afetará cerca de 5,2 milhões de filipinos que vivem num raio de 125 quilómetros da sua trajetória.

As autoridades filipinas advertiram de que o impacto do Mangkhut pode ser tão destruidor como o do Haiyan, um super-tufão que fez mais de sete mil de mortos e 16 milhões de vítimas de danos materiais em novembro de 2013.

O Governo filipino assegurou estar preparado e mobilizou 30 milhões de dólares (cerca de 27 milhões de euros) para a resposta de emergência. O Presidente filipino, Rodrigo Duterte, reuniu-se com o centro de comando do NDRRMC para rever a resposta conjunta de todas as agências governamentais e enviou membros do seu gabinete às províncias em alerta para coordenarem em primeira mão as operações de emergência.

A Cruz Vermelha Filipinas também enviou equipas de resposta rápida para a zona, onde conta com mais de 30 000 voluntários para fazer rapidamente um balanço de danos após a passagem do tufão e poder o quanto antes emitir um apelo de ajuda financeira à comunidade internacional.

A organização humanitária estima o possível número de afetados pelo tufão em dez milhões, se se tiver em conta a quantidade de pessoas que vivem da agricultura em Luzón e que sofrerão graves prejuízos nas suas colheitas.

As Filipinas são anualmente atingidas por entre 15 e 20 tufões durante a temporada das chuvas, que este ano começou a 08 de junho e costuma terminar entre novembro e dezembro.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."