Tufão Lan cancela centenas de voos e fecha autoestradas no Japão

As chuvas fortes provocadas pelo tufão Lan já causaram duas mortes e uma pessoa está desaparecida

As chuvas torrenciais e os fortes ventos causados pelo tufão Lan no Japão levaram esta segunda-feira ao cancelamento de centenas de voos e ao encerramento de autoestradas à circulação, além de pelo menos dois mortos e quase 90 feridos.

Lan, o 21º tufão da temporada no Pacífico, tocou terra no domingo, no leste do país, em Shizuoka, pelas 03:00 (19:00 em Lisboa), com rajadas de vento de quase 200 quilómetros por hora, segundo a Agência Meteorológica do Japão (JMA, na sigla em inglês).

As duas principais companhias aéreas, a Japan Airlines (JAL) e a All Nippon Airways (ANA) cancelaram cerca de 170 voos domésticos e internacionais previstos para esta segunda-feira, que se juntam aos mais de 350 que não descolaram no domingo e afetaram cerca de 43 mil passageiros, noticiou a agência japonesa Kyodo.

Também foi interrompido o serviço na linha Tokaido do comboio de alta velocidade, a mais utilizada, que liga Tóquio ao oeste do país, e foram cortados diferentes troços de autoestradas na ilha principal de Honshu.

Por sua vez, o maior fabricante japonês de veículos, Toyota Motor, anunciou a suspensão das operações em fábricas de sete províncias, desde o oeste até à costa oriental do arquipélago.

As chuvas fortes e precipitações provocadas pelo tufão Lan afetaram principalmente o extremo ocidental do país, onde no domingo morreram duas pessoas em Fukuoka e Yamaguchi.

Há também uma pessoa desaparecida em Wakayama, depois de uma casa ter ficado soterrada num aluimento de terras, e cerca de 89 feridos, segundo a estação pública NHK.

Meia centena de localidades em Honshu emitiram ordens de evacuação e quase 200 recomendaram aos habitantes que se desloquem por precaução para refúgios municipais.

Boa parte da ilha principal do país continua em alerta vermelho pelas fortes chuvas e vento e a JMA alertou para a possibilidade de aluimentos de terras, aumento do caudal dos rios e ondulação forte.

Segundo a JMA, pelas 09:45 (01:45 em Lisboa), depois de atravessar o norte de Tóquio e da prefeitura de Chiba, o Lan encontrava-se novamente no Pacífico a cerca de 80 quilómetros da localidade costeira de Iwaki (cerca de 170 quilómetros a nordeste da capital nipónica), com ventos de cerca de 160 quilómetros por hora.

A agência disse esperar que o Lan, a deslocar-se em direção ao norte, venha a afetar nas próximas horas a parte oriental da ilha de Hokkaido à medida que enfraquece gradualmente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.