Tufão Lan cancela centenas de voos e fecha autoestradas no Japão

As chuvas fortes provocadas pelo tufão Lan já causaram duas mortes e uma pessoa está desaparecida

As chuvas torrenciais e os fortes ventos causados pelo tufão Lan no Japão levaram esta segunda-feira ao cancelamento de centenas de voos e ao encerramento de autoestradas à circulação, além de pelo menos dois mortos e quase 90 feridos.

Lan, o 21º tufão da temporada no Pacífico, tocou terra no domingo, no leste do país, em Shizuoka, pelas 03:00 (19:00 em Lisboa), com rajadas de vento de quase 200 quilómetros por hora, segundo a Agência Meteorológica do Japão (JMA, na sigla em inglês).

As duas principais companhias aéreas, a Japan Airlines (JAL) e a All Nippon Airways (ANA) cancelaram cerca de 170 voos domésticos e internacionais previstos para esta segunda-feira, que se juntam aos mais de 350 que não descolaram no domingo e afetaram cerca de 43 mil passageiros, noticiou a agência japonesa Kyodo.

Também foi interrompido o serviço na linha Tokaido do comboio de alta velocidade, a mais utilizada, que liga Tóquio ao oeste do país, e foram cortados diferentes troços de autoestradas na ilha principal de Honshu.

Por sua vez, o maior fabricante japonês de veículos, Toyota Motor, anunciou a suspensão das operações em fábricas de sete províncias, desde o oeste até à costa oriental do arquipélago.

As chuvas fortes e precipitações provocadas pelo tufão Lan afetaram principalmente o extremo ocidental do país, onde no domingo morreram duas pessoas em Fukuoka e Yamaguchi.

Há também uma pessoa desaparecida em Wakayama, depois de uma casa ter ficado soterrada num aluimento de terras, e cerca de 89 feridos, segundo a estação pública NHK.

Meia centena de localidades em Honshu emitiram ordens de evacuação e quase 200 recomendaram aos habitantes que se desloquem por precaução para refúgios municipais.

Boa parte da ilha principal do país continua em alerta vermelho pelas fortes chuvas e vento e a JMA alertou para a possibilidade de aluimentos de terras, aumento do caudal dos rios e ondulação forte.

Segundo a JMA, pelas 09:45 (01:45 em Lisboa), depois de atravessar o norte de Tóquio e da prefeitura de Chiba, o Lan encontrava-se novamente no Pacífico a cerca de 80 quilómetros da localidade costeira de Iwaki (cerca de 170 quilómetros a nordeste da capital nipónica), com ventos de cerca de 160 quilómetros por hora.

A agência disse esperar que o Lan, a deslocar-se em direção ao norte, venha a afetar nas próximas horas a parte oriental da ilha de Hokkaido à medida que enfraquece gradualmente.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?