Tufão dirige-se para zona devastada pelas chuvas no oeste do Japão

A agência meteorológica japonesa alertou esta sexta-feira que um poderoso tufão está a dirigir-se para a região oeste do Japão, onde no início deste mês chuvas torrenciais e aluimentos de terras causaram 220 mortos.

A tempestade tropical Jongdari, o 12.º da temporada na Ásia, deve atingir a ilha principal do arquipélago, Honshu, na noite de sábado, indicaram.

Pelas 12:00 de sexta-feira (04:00 em Lisboa), o tufão encontrava-se a mais de mil quilómetros de Tóquio e a 200 da ilha de Chichijima.

No entanto, em vez de continuar para nordeste, prevê-se que siga para noroeste e atinja o centro e o oeste do país durante o fim de semana, indicou a mesma agência.

Os meteorologistas alertaram para a ocorrência de chuvas torrenciais, deslizamentos de terra, ventos fortes e ondas

Uma grande parte do oeste do Japão foi atingida no início de julho por fortes inundações e deslizamentos de terra que resultaram na morte de mais de 200 pessoas e milhares de desalojados, naquele que foi considerado o mais grave desastre meteorológico no país desde 1982.

As autoridades pediram à população que responda de imediato a ordens de evacuação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.