Tufão causou a morte de 61 pessoas no Vietname

Há ainda 20 pessoas desaparecidas

Pelo menos 61 pessoas morreram no Vietname à passagem do tufão Damrey, anunciaram hoje as autoridades, que indicam não estarem previstos impactos na cimeira da APEC, prevista para esta semana, com a presença de líderes mundiais.

"Estamos à procura de 20 pessoas" dadas como desaparecidas, disse à agência AFP um responsável da segurança vietnamita.

A cidade de Danang, que acolhe esta semana o Fórum de Cooperação Económica da Ásia-Pacífico (APEC) sofreu danos menores. Já a vila histórica de Hoi An, património mundial, próxima de Danang, ficou submersa.

A tempestade que atingiu a costa do país no sábado foi a pior das últimas décadas, com as autoridades preocupadas com o transborde de rios e lagos.

Os níveis das águas estão a aproximar-se de valores recorde de 1997. No total, mais de 30 mil pessoas, incluindo turistas, tiveram de ser retiradas das zonas próximas da tempestade.

Desde o início de 2017, uma dezena de fortes tempestades atingiram o país. Pelo menos 240 pessoas morreram ou foram dadas como desaparecidas devido a inundações e deslizamentos de terras.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.