Tudo calmo em Macau: tempestade tropical Khanun afasta-se

Nível de alerta esteve esta manhã nos 8 mas já desceu para 3, com o tufão a afastar-se do território. Alerta para subida das águas mantém-se

As notícias que vêm do Oriente são animadoras. O Khanun não irá repetir o rasto de destruição deixado pelo Hato no final de agosto. Os Serviços Meteorológicos e Geofísicos de Macau baixaram hoje às 21.00 (14.00 em Lisboa) o sinal 8 de tufão para 3, à medida que o Khanun se afasta do território.

O tufão está agora a cerca de 250 quilómetros a sudoeste de Macau e a afastar-se gradualmente do território em direção em Leizhou, na província chinesa de Guangdong, adjacente ao território. Ainda assim, o aviso de storm surge (subida do nível das águas) de grau 1 (amarelo) vai continuar, dado que a maré ainda pode atingir um nível igual ou inferior a meio metro acima do pavimento na zona do Porto Interior.

O sinal 8 da escala de alerta de tempestades tropicais, formada pelos sinais 1, 3, 8, 9 e 10 que são hasteados para assinalar a proximidade da tempestade e a intensidade dos ventos, foi emitido às 10.00, tendo sido mantido por 11 horas e com o Centro de Operações da Proteção Civil a registar, até às 19.00, três feridos ligeiros e 64 incidentes em Macau e nas ilhas, incluindo 40 casos de queda de anúncios, toldos, placas metálicas e janelas, dez casos de quedas de árvores e antenas, e quatro casos de queda de andaimes. Na zona do Porto Interior registaram-se inundações ligeiras, que obrigaram a cortes na circulação automóvel, mas a circulação já foi reaberta nas três pontes que ligam Macau à ilha da Taipa, Nobre de Carvalho, Amizade e Sai Van e o serviço de transportes públicos retomado.

A 23 de agosto, a passagem do tufão Hato por Macau, o mais forte em 53 anos, fez dez mortos e mais de 240 feridos e provocou graves inundações, particularmente na zona ribeirinha do Porto Interior, quase sempre afetada pelas tempestades que atingem o território.

Apenas quatro dias depois, novo tufão, agora o Pakhar, atingiu o território mas com menos intensidade, provocando apenas oito feridos ligeiros. Com Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).