Tudo calmo em Macau: tempestade tropical Khanun afasta-se

Nível de alerta esteve esta manhã nos 8 mas já desceu para 3, com o tufão a afastar-se do território. Alerta para subida das águas mantém-se

As notícias que vêm do Oriente são animadoras. O Khanun não irá repetir o rasto de destruição deixado pelo Hato no final de agosto. Os Serviços Meteorológicos e Geofísicos de Macau baixaram hoje às 21.00 (14.00 em Lisboa) o sinal 8 de tufão para 3, à medida que o Khanun se afasta do território.

O tufão está agora a cerca de 250 quilómetros a sudoeste de Macau e a afastar-se gradualmente do território em direção em Leizhou, na província chinesa de Guangdong, adjacente ao território. Ainda assim, o aviso de storm surge (subida do nível das águas) de grau 1 (amarelo) vai continuar, dado que a maré ainda pode atingir um nível igual ou inferior a meio metro acima do pavimento na zona do Porto Interior.

O sinal 8 da escala de alerta de tempestades tropicais, formada pelos sinais 1, 3, 8, 9 e 10 que são hasteados para assinalar a proximidade da tempestade e a intensidade dos ventos, foi emitido às 10.00, tendo sido mantido por 11 horas e com o Centro de Operações da Proteção Civil a registar, até às 19.00, três feridos ligeiros e 64 incidentes em Macau e nas ilhas, incluindo 40 casos de queda de anúncios, toldos, placas metálicas e janelas, dez casos de quedas de árvores e antenas, e quatro casos de queda de andaimes. Na zona do Porto Interior registaram-se inundações ligeiras, que obrigaram a cortes na circulação automóvel, mas a circulação já foi reaberta nas três pontes que ligam Macau à ilha da Taipa, Nobre de Carvalho, Amizade e Sai Van e o serviço de transportes públicos retomado.

A 23 de agosto, a passagem do tufão Hato por Macau, o mais forte em 53 anos, fez dez mortos e mais de 240 feridos e provocou graves inundações, particularmente na zona ribeirinha do Porto Interior, quase sempre afetada pelas tempestades que atingem o território.

Apenas quatro dias depois, novo tufão, agora o Pakhar, atingiu o território mas com menos intensidade, provocando apenas oito feridos ligeiros. Com Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.