Trump obrigado a desistir do seu plano de saúde mas diz que Obamacare "vai explodir"

Decisão surge depois de Presidente saber que não teria votos suficientes. Agora deverá surgir uma reforma dos impostos

Donald Trump adiou definitivamente a votação do plano de saúde, depois de ter sido informado que não teria votos a favor suficientes.

O Presidente pretendia colocar em prática o American Health Care Act, a versão republicana do plano de saúde norte-americano que seria para substituir o Obamacare, nome dado ao plano de saúde instituído por Barack Obama, o Affordable Care Act.

A Reuters diz também que Donald Trump afirmou que "Obamacare vai explodir". Deixou ainda uma palavra de apreço a Paul Ryan, que "trabalhou, muito, muito" e diz que os Republicanos estiveram a 10/15 votos de conseguir passar a lei. É agora provável que a próxima medida seja uma reforma dos impostos.

Trump diz que "de alguma forma isto até é melhor", visto que vai obrigar os democratas a irem ter com os republicanos, "quando forem civilizados", "para discutir uma melhor legislação".

Admitiu ainda que alguns setores do seu próprio partido estariam entre as causas da queda do seu plano de saúde. "Aprendemos muito sobre lealdade nestes dias", disse.

À imprensa norte-americana Trump afirmou ter uma grande relação com o partido.

Paul Ryan visitou esta sexta-feira Donald Trump, na Casa Branca, para o informar da ausência de votos. O Presidente tinha lançado um ultimato para que a lei fosse votada hoje, sendo incerto agora se a votação da lei vai ser recalendarizada, diz a Reuters.

De acordo com a mesma fonte, alguns republicanos estarão "fartos" da lei que se propõe a substituir o Obamacare.

O American Health Care Act foi uma das principais bandeiras da campanha presidencial de Donald Trump.

A notícia foi dada em primeiro lugar pelo jornalista Robert Costa, do Washington Post. Diz também no Twitter que um acordo entre Republicanos e Democratas poderá estar no horizonte.

Trump parece não colocar quaisquer culpas em Paul Ryan, republicano presidente da Câmara dos Representantes dos EUA.

Paul Ryan já falou e comentou o facto de ser difícil passar da oposição para o governo. Afirma ter falado com Trump e terem decidido que retirar a lei de votação seria a melhor decisão.

"Estou orgulhoso do nosso plano de saúde. O pior ainda está para vir com o Obamacare. Temos que fazer melhor e faremos. Isto foi um contratempo, não há dúvida. Estivemos muito próximos do consenso, mas não aconteceu", afirmou.

"Obamacare é uma lei que está a colapsar e a prejudicar as famílias norte-americanas. Vamos ter essa lei num futuro próximo e não sei quando a vamos poder substituir. As projeções a que temos acesso dizem que Obamacare só vai piorar. Gostava que tivéssemos o consenso necessário não conseguimos, mas estivemos perto. Fizemos tudo o que podíamos, saibam isso", acrescentou.

"Vamos chegar lá, mas hoje não conseguimos", disse ainda sobre a votação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.