Trump vai visitar zonas atingidas pelo furacão Florence que já causou sete mortos

O Presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, anunciou que pretende visitar, na próxima semana, as zonas afetadas pelo furacão Florence, que causou até agora sete mortos.

"Está previsto que o Presidente se desloque às zonas atingidas pela tempestade entre o início e meados da próxima semana, assim que esteja garantido que a sua viagem não vai atrapalhar nenhum esforço de resgate ou recuperação", disse Sarah Sanders, porta-voz do chefe de Estado norte-americano, através de um comunicado, sem adiantar mais detalhes.

O anúncio da visita surgiu depois de o furacão ter tocado terra no estado da Carolina do Norte, onde se registaram pelo menos sete mortos, entre os quais uma mulher e um bebé, de acordo com o jornal USA Today, que adianta ainda que na Carolina do Norte, cerca de 900 mil habitações ficaram sem energia durante a noite.

Apesar de estar a perder a intensidade, o Centro Nacional de Furacões avisa que Florence deverá continuar a provocar "enchentes catastróficas e significantes subidas das águas dos rios".

Quedas de árvores provocam vítimas

A polícia local de Wilmington, localidade próxima do ponto em que o Florence atingiu terra, como furacão de categoria 1 e com ventos de cerca de 150 quilómetros/hora, informou através da rede social Twitter que uma mulher e o seu bebé morreram na sequência da queda de uma árvore sobre a sua casa, enquanto o pai foi levado para o hospital devido a ferimentos.

O diretor do departamento de emergências do condado de Pender, Tom Collins, descreveu, por outro lado, que uma mulher sofreu um ataque de coração, mas a equipa médica não conseguiu chegar a tempo para a socorrer devido às árvores caídas que encontraram no caminho.

A quarta vítima mortal é um idoso de 78 anos que faleceu quando tentava ligar uma ficha a um gerador elétrico, no condado de Leonoir, informou o gabinete do governador da Carolina do Norte, Roy Cooper, em comunicado.

Os meios locais indicaram também que, neste condado, apareceu morto um homem de 77 anos, junto à sua moradia, em Kinston, que poderá ter sido derrubado pelos ventos fortes quando saiu para ver como estavam os seus cães de caça.

Além destas, segundo o USA Today, mais duas pessoas morreram também em Harkers Island em incidentes relacionados com a tempestade mas autoridades não forneceram ainda mais detalhes.

De furacão a tempestade

A tempestade tocou terra à primeira hora de hoje em Wrightsville Beach, a escassos quilómetros de Wilmington, que desde a madrugada sofreu os embates do vento e chuvas fortes.

Entretanto, o Florence converteu-se em tempestade tropical, quando a intensidade do vento baixou para 110 quilómetros/hora, anunciou o Centro Nacional de Furacões (NHC, na sigla inglesa), no seu boletim das 17:00 locais (22:00 em Lisboa). O Florence continua assim a debilitar-se, com uma deslocação ainda mais lenta em direção a oeste, a seis quilómetros/hora.

O sistema situava-se a essa hora a 75 quilómetros a oeste-sudoeste da localidade de Wilmington (Carolina do Norte) e a 45 quilómetros a nordesde de Myrtle Beach, em Carolina do Sul.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.