Trump terá pedido a um fotógrafo para editar imagens da sua tomada de posse

Presidente dos EUA não gostou do facto de a sua audiência ter sido menor que a de Barack Obama

Um relatório dá conta do facto de Donald Trump ter pedido a um fotógrafo do governo norte-americano para editar as fotografias oficiais da sua tomada de posse, para dar a entender de uma assistência bem maior do que a real.

De acordo com o jornal britânico The Guardian , Trump não terá gostado da comparação entre a audiência da sua tomada de posse e a de Barack Obama em 2009, que era maior, de tal modo que o fotógrafo preencheu espaços vazios por onde terminava a multidão para um novo conjunto de fotos que Trump pediu logo no primeiro dia do seu mandato.

Um fotógrafo da NPS terá editado as imagens para fazê-las parecer simétricas, cortando o céu e o fundo por onde termina a multidão, para dar a entender que havia mais gente a assistir à cerimónia.

Ainda de acordo com o mesmo jornal, estes documentos lançaram suspeitas sobre a polémica da eleição de Trump, quando o atual presidente dos EUA alegou ter atraído "o maior público de uma tomada de posse de todos os tempos". A documentação dá conta de um diálogo entre Trump e o diretor do Serviço Nacional de Parques, Michael Reynolds, e o facto de o então porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, ter ligado para os funcionários do Serviço Nacional de Parques para pedirem fotos "mais favoráveis" referentes ao dia da tomada de posse.

Não foram revelados os nomes dos fotógrafos que fizeram a edição das imagens, nem quem as divulgou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.